• Apipa

Coronavírus: humanos estão pegando mais doenças transmitidas por animais

Humanos estão se infectando cada vez mais com doenças transmitidas por animais. Mudanças ambientais e climáticas estão destruindo o habitat dos animais, impactando decisivamente na maneira como eles vivem.

Qual o papel de nossos hábitos de consumo, em especial alimentares, no surgimento de novas doenças que podem se transformar em pandemias? Existem mercados de animais vivos, os mercados úmidos, nos quais estão no mesmo ambiente animais silvestres de diversas origens, reservatórios para vírus de diversas características genéticas. (Imagem: Beduka)

O mundo luta contra uma emergência de saúde global causada por um novo tipo de coronavírus, que se espalhou da China para o resto do mundo. Mas o novo vírus - que se acredita ter originado da vida selvagem - lança luz sobre o risco de doenças transmitidas por animais. Isso, certamente, será mais um problema no futuro, pois as mudanças climáticas e a globalização alteram a maneira como os animais e os seres humanos interagem.


Assista ao vídeo / MOV Show


Fim do turismo de entretenimento com animais pode evitar novas pandemias


Como os animais podem tornar as pessoas doentes?


Nos últimos 50 anos, uma série de doenças infecciosas se espalhou rapidamente após saltar dos animais para os seres humanos.


A crise do HIV/Aids dos anos 80 teve origem nos primatas, a gripe aviária de 2004-07 veio de aves e os porcos nos deram a gripe suína de 2009. Mais recentemente, foi descoberta a Sars, também causada por um vírus do tipo corona, oriunda de morcegos, via civetas (um pequeno mamífero asiático), enquanto os mesmos morcegos também foram os precursores do Ebola.


Os seres humanos sempre contraíram doenças de animais. De fato, a maioria das novas doenças infecciosas vem da vida selvagem.


Mas as mudanças ambientais estão acelerando esse processo, enquanto o crescimento da população das cidades e do número de viagens internacionais faz com que, quando essas doenças surgem, possam se espalhar mais rapidamente.


Risco de novas pandemias: mercados de animais vivos reabertos na China


Como as doenças podem passar entre as espécies?


A maioria dos animais carrega uma variedade de patógenos - bactérias e vírus que podem causar doenças. A sobrevivência evolutiva desse patógeno depende da infecção de novos hospedeiros - e pular para outras espécies é uma maneira de fazer isso.


O sistema imunológico do novo hospedeiro tenta matar esses patógenos, o que significa que os dois estão presos em um eterno jogo evolutivo de tentar encontrar novas maneiras de derrotar um ao outro.


Por exemplo, cerca de 10% das pessoas infectadas morreram durante a epidemia de Sars em 2003, em comparação com menos de 0,1% de uma epidemia de gripe "típica".


As mudanças ambientais e climáticas estão removendo e alterando o habitat dos animais, impactando decisivamente na maneira como eles vivem, onde vivem e quem come quem.


A forma como os humanos vivem também mudou - 55% da população global agora vivem nas cidades, contra 35% há 50 anos.


E essas cidades mais populosas acabam se tornando moradia para a vida selvagem - ratos, camundongos, guaxinins, esquilos, raposas, pássaros, chacais, macacos. Esses animais passam a viver em espaços verdes como parques e jardins, além de se alimentar dos resíduos que os seres humanos deixam para trás.


Muitas vezes, as espécies de animais selvagens são mais bem-sucedidas nas cidades do que na natureza devido ao abundante suprimento de alimentos, tornando os espaços urbanos um caldeirão para a evolução de doenças.


Jane Goodall: 'o desprezo pela natureza causa esta pandemia'


Quem está mais em risco?


Novas doenças, em um novo hospedeiro, geralmente são mais perigosas, razão pela qual qualquer doença que surge é preocupante.


Alguns grupos são mais vulneráveis a contrair essas doenças do que outros. Moradores de cidades mais pobres têm maior probabilidade de trabalhar em limpeza e saneamento, aumentando suas chances de encontrar fontes e portadores de doenças.


Eles também podem ter sistemas imunológicos mais fracos devido à má nutrição e exposição ao ar ou condições insalubres. E se adoecerem, talvez não consigam pagar por assistência médica.


Novas infecções também podem se espalhar rapidamente nas grandes cidades, à medida que mais pessoas dividem um espaço cada vez menor - respirando o mesmo ar e tocando as mesmas superfícies.


Em algumas culturas, as pessoas também se alimentam de animais selvagens que vivem nos espaços urbanos ou nos seus arredores.


Fim do comércio de animais silvestres pode evitar próxima pandemia


O que podemos fazer?


Sociedades e governos tendem a tratar cada nova doença infecciosa como uma crise independente, em vez de reconhecer que são um sintoma de como o mundo está mudando.


Quanto mais alteramos o ambiente, maior a probabilidade de perturbar os ecossistemas e oferecer oportunidades para o surgimento de doenças.


Apenas cerca de 10% dos patógenos do mundo foram documentados; portanto, são necessários mais recursos para identificar o restante - e quais animais os carregam. Por exemplo, quantos ratos existem em Londres e que doenças eles carregam?


Muitos moradores da cidade valorizam a vida selvagem urbana, mas também devemos reconhecer que alguns animais carregam possíveis doenças.


Faz sentido acompanhar quais animais estão chegando às cidades e se as pessoas os estão matando, comendo ou trazendo para mercados próximos.


Melhorar o saneamento, a eliminação de resíduos e o controle de pragas são formas de ajudar a impedir a ocorrência desses surtos e que se espalhem. Mais amplamente, trata-se de mudar a maneira como nossos ambientes são gerenciados e como as pessoas interagem com eles.


Governo Bolsonaro consegue ser o PIOR para os animais


Pandemias fazem parte do nosso futuro


Reconhecer que novas doenças estão surgindo e se espalhando dessa maneira é o primeiro passo para combater novas pandemias, que são uma parte inevitável do nosso futuro.


Há um século, a pandemia de gripe espanhola infectou cerca de 500 milhões de pessoas e matou de 50 a 100 milhões em todo o mundo.


O avanço científico e os enormes investimentos em saúde global proporcionaram um melhor gerenciamento dessa doença no futuro.


No entanto, o risco permanece real e potencialmente catastrófico - se algo semelhante acontecesse novamente, remodelaria o mundo.


Em meados do século passado, alguns alegaram que as doenças infecciosas eram domináveis.


Mas à medida que a urbanização e a desigualdade crescem e as mudanças climáticas desestabilizam ainda mais nossos ecossistemas, precisamos reconhecer as doenças emergentes como um risco crescente.


Pandemias: hábitos alimentares predatórios do ser humano


Petição: ONG pede fim do comércio global de animais silvestres


Ajude! Cadela resgatada pela APIPA precisa de três cirurgias


Como ajudar a APIPA


Existem diversas formas com as quais o amigo pode participar para contribuir com o trabalho assistencial da APIPA. Um modo bem simples e rápido de ajudar é fazer as doações em dinheiro por meio de transferência/depósito bancário (contas abaixo). O amigo também pode fazer doações (online) por meio do PagSeguro. Lembrando que a nossa associação sobrevive unicamente de doações. Não deixe de oferecer a sua solidariedade em prol do bem-estar dos nossos bichinhos carentes. Ajude-nos!


Pandemia: APIPA sofre com redução de 70% nas DOAÇÕES ao abrigo


Faça a sua doação de ração para cães e gatos:

Ajude! Falta ração para alimentar mais de 300 animais famintos


CONTAS BANCÁRIAS DA APIPA (doações)


CNPJ: 10.216.609/0001-56

  • Banco do Brasil Ag: 3507-6 / CC: 57615-8

  • Caixa Econômica Federal Ag: 0855 / Op: 013 / CP: 83090-0

  • Banco Santander Ag: 4326 / CC: 13000087-4


Abandono de animais aumenta e APIPA pede ajuda em Teresina


AJUDE os animais carentes do abrigo da APIPA


APIPA suspende temporariamente as visitas e adoções de animais, em cautela à pandemia de coronavírus. No entanto, vem lembrar aos amigos que a rotina interna em seu centro de acolhimento continua com seu funcionamento normal, pois não pode parar. Pedimos que continuem ajudando, fazendo as doações.


Ajude! APIPA pede que as doações continuem durante pandemia


Para adotar um amiguinho em Teresina, conheça o abrigo de animais carentes da APIPA


As adoções tinham sido temporariamente suspensas por conta da pandemia. Atendendo a pedidos de amigos, a APIPA já começa a disponibilizar alguns animais para adoção. Confira mais informações em post no Facebook.


Com informações da BBC Brasil

APIPA® - ASSOCIAÇÃO PIAUIENSE DE PROTEÇÃO E AMOR AOS ANIMAIS

CNPJ: 10.216.609/0001-56

BANCO DO BRASIL
Ag: 3507-6 / CC: 57615-8

CAIXA ECONÔMICA FEDERAL
Ag: 0855 / Op: 013 / CP: 83090-0

BANCO SANTANDER
Ag: 4326 / CC: 13000087-4

  • White Facebook Icon
  • White Instagram Icon
  • White YouTube Icon

contato.apipa@gmail.com

Rua Trinta e Oito, 1041 - Loteamento Vila Uruguai - Bairro Uruguai (6 quadras após a UNINOVAFAPI)

Teresina, PI - CEP 64073-167

COPYRIGHT © 2018

Site criado pela Pix Marketing Digital

  • Black Facebook Icon
  • Black Instagram Icon
  • Black YouTube Icon