• Apipa

Pandemias: hábitos alimentares predatórios do ser humano

Vem aí um futuro de pandemias transmitidas por animais! Além da interferência humana na vida animal através de seus hábitos alimentares predatórios, outros fatores contribuem para o aumento da transmissão de doenças de animais para humanos, como a progressiva degradação do meio ambiente.

Os hábitos alimentares depravados do ser humano são fatores que contribuem decisivamente para o aumento das doenças transmitidas por animais. Mas você pode fazer a sua parte para mudar esta realidade sombria. Comece adotando uma filosofia de vida que rejeita a exploração animal, deixando os viventes sencientes fora do seu prato! (Imagem: GreenMe)

Em época de coronavírus, cientistas buscam saber qual teria sido a origem dessa doença. Uma das hipóteses apontadas tem relação com o consumo da carne, devido ao fato desse surto ter começado em um mercado de carne fresca em Wuhan, capital de província de Hubei, na China.


Em tal mercado, animais como morcegos, cobras, civetas, burros, veados, crocodilos, entre outros, vinham sendo abatidos na hora e suas carnes vendidas como alimento para o consumo humano. Por conta disso, as autoridades chinesas, para barrar a disseminação do coronavírus, proibiram o consumo e a venda ilegais das carnes desse animais, bem como a caça e o transporte com a finalidade de alimentação. O país também começa a tentar proibir o consumo de carne de cachorro após a nova epidemia da doença.


“Tem havido uma preocupação crescente entre as pessoas sobre o consumo de animais selvagens e os perigos ocultos que isso traz à segurança da saúde pública desde o novo surto da doença por coronavírus (Covid-19)”, disse Zhang Tiewei, porta-voz do mais alto órgão legislativo.


As dúvidas dos cientistas


Os cientistas continuam investigando como essa cadeia de contaminação ocorreu de animal para humano. Uma das hipóteses levantadas por pesquisadores da Universidade de Agronomia do Sul da China, é a de que a transmissão tenha se dado por meio do consumo da carne de pangolim, um mamífero em vias de extinção, comercializado de forma ilegal na China.


Coronavírus: cães e gatos são abandonados na China


O pangolim pode ter se tornado o hospedeiro intermediário do vírus, ao se alimentar na natureza e ter tido contato com fezes de morcego (o transmissor) e, assim, acabou sendo contaminado para depois contaminar os humanos.


Tipos similares de transmissão de doenças de animais para humanos vêm ocorrendo com frequência nos últimos cinquenta anos. Confira vídeo do canal 'Minuto da Terra' com as explicações de como doenças causadas por vírus acabam sendo transmitidas por animais como por exemplo, o morcego.


Assista ao vídeo / Minuto da Terra


Que fique bem claro que os morcegos fazem parte do equilíbrio da biodiversidade e que são grandes polinizadores na natureza. A causa principal da transmissão de doenças como o Covid-19, está atrelada ao comportamento humano em relação a esses animais e ao habitat deles. E não o inverso.


Doenças contagiosas x alimentação


E por falar em comportamento humano, neste outro vídeo do canal '#NãoSejaIndiferente', Matheus Croco faz uma análise sobre a relação dos hábitos alimentares com a transmissão de doenças de animais para humanos.


Ele dá vários exemplos de outros surtos com causas relacionadas ao consumos da carne, e esclarece que não são somente os chineses que precisam rever seus hábitos alimentares.


Assista ao vídeo / #NaoSejaIndiferente


Como deixar de se alimentar de animais


É bom ressaltar que, além dos chineses, os brasileiros também consomem animais silvestres ou selvagens, haja vista que no Brasil tem gente que come lagartos, tatus, tartarugas, macacos, cobras, formigas, rãs, jacarés, patos, entre outros, além de animais tidos como convencionais como frangos, perus, bois, porcos, entre outros.


Epidemias x animais


As novas epidemias relacionadas com os animais têm se intensificado. Pesquisas confirmam que mais de 70% das novas doenças infecciosas são provenientes da vida selvagem e o que tem contribuído para a ocorrência dos surtos são a captura, o transporte, o comércio, o abate e o consumo desses animais.


Como exemplos de alguns desses surtos temos:

  • o HIV/Aids, dos anos 80, que teve origem nos primatas

  • a Sars em 2003, também causada por um vírus do tipo corona, proveniente de morcegos, via civeta (pequeno mamífero asiático)

  • a gripe aviária, de 2004-2007, veio de aves

  • a gripe suína, em 2009, oriunda dos porcos

  • o Ebola, em 2013, também desencadeado por morcegos


O que você precisa saber sobre coronavírus em cães e gatos


Um futuro de pandemias


Além da interferência humana na vida animal através de seus hábitos alimentares predatórios, outros fatores contribuem para o aumento da transmissão de doenças de animais para humanos, tais como:

  • Mudanças climáticas: devido à poluição e ao aquecimento global, o que tem provocado a alteração nos habitats e hábitos alimentares dos animais.

  • A extinção de espécies: devido à ação humana, o que vem causando desequilíbrio na biodiversidade e na cadeia alimentar.

  • O aumento do desmatamento, da industrialização e da urbanização: levando vários animais a coabitarem com humanos e terem que se adaptar a condições adversas dos centros urbanos. Os animais acabam se alimentando de lixo, contaminando-se e se tornando transmissores de doenças.

  • Precárias condições de vida: pobreza, desigualdade, falta de higiene, de saneamento básico, péssimas condições de saúde com assistência médica deficiente, são fatores que promovem condições favoráveis para várias doenças se alastrarem.

  • A intensificação das viagens internacionais: atividades que colaboram para aumentar a transmissão das epidemias, contribuindo para que estas se tornem pandemias.


Assista ao vídeo / BBC News Brasil


Hábitos precisam ser reavaliados


Em suma, os grandes surtos de doenças contagiosas de animais para humanos, estão associados aos abusos cometidos pelo ser humano em relação à natureza, ao meio ambiente e à vida animal.


O ser humano tem levado os animais a ficar sem seus habitats, alterando a forma de viver desses seres e prejudicando a saúde deles, o que contribui para se infectarem e se tornarem veículos de doenças.


Além disso, as doenças transmitidas por animais, podem vir a ser mais um problema no futuro, devido às mudanças climáticas e à globalização que contribuem para alterar a maneira de como os animais e os seres humanos interagem, agravando mais ainda essa situação.


Cada um de nós pode contribuir para reverter esse quadro, desenvolvendo a percepção de como os nossos hábitos e comportamentos desequilibram a vida em nosso planeta e, a partir daí, agir de forma mais consciente.


Como ajudar a APIPA


Existem diversas formas com as quais o amigo pode participar para contribuir com o trabalho assistencial da APIPA. Um modo bem simples e rápido de ajudar é fazer as doações em dinheiro por meio de transferência/depósito bancário (contas abaixo). O amigo também pode fazer doações (online) por meio do PagSeguro. Lembrando que a nossa associação sobrevive unicamente de doações. Não deixe de oferecer a sua solidariedade em prol do bem-estar dos nossos bichinhos carentes. Ajude-nos!


Ajude! Falta ração para alimentar mais de 300 animais famintos


CONTAS BANCÁRIAS DA APIPA (doações)


CNPJ: 10.216.609/0001-56

  • Banco do Brasil Ag: 3507-6 / CC: 57615-8

  • Caixa Econômica Federal Ag: 0855 / Op: 013 / CP: 83090-0

  • Banco Santander Ag: 4326 / CC: 13000087-4


Abandono de animais aumenta e APIPA pede ajuda em Teresina


AJUDE os animais carentes do abrigo da APIPA


Para adotar um amiguinho em Teresina, conheça o abrigo de animais carentes da APIPA.


Com informações do GreenMe

APIPA® - ASSOCIAÇÃO PIAUIENSE DE PROTEÇÃO E AMOR AOS ANIMAIS

CNPJ: 10.216.609/0001-56

BANCO DO BRASIL
Ag: 3507-6 / CC: 57615-8

CAIXA ECONÔMICA FEDERAL
Ag: 0855 / Op: 013 / CP: 83090-0

BANCO SANTANDER
Ag: 4326 / CC: 13000087-4

  • White Facebook Icon
  • White Instagram Icon
  • White YouTube Icon

contato.apipa@gmail.com

Rua Trinta e Oito, 1041 - Loteamento Vila Uruguai - Bairro Uruguai (6 quadras após a UNINOVAFAPI)

Teresina, PI - CEP 64073-167

COPYRIGHT © 2018

Site criado pela Pix Marketing Digital

  • Black Facebook Icon
  • Black Instagram Icon
  • Black YouTube Icon