top of page

Fim do comércio de animais silvestres pode evitar próxima pandemia

Com as evidências colhidas de outros surtos, os cientistas acreditam que uma forma de evitar futura pandemia é, em escala global, lutar pelo fim do comércio de animais silvestres, que é fonte de transmissão de doenças entre espécies.

O impacto humano em habitats naturais, a perda de biodiversidade e a degradação de ecossistemas estão tornando eventos de propagação do vírus muito mais prováveis, constatou um novo estudo de cientistas da Austrália e dos EUA. (Foto: Waita)

No início do século XX, a mais letal das três variantes do vírus HIV e responsável pela pandemia da Aids espalhou-se ao longo do rio Sangha, em Camarões, a partir de chimpanzés que habitavam remotos trechos da selva do país. Muitos desses animais eram vendidos em feiras e consumidos pela população, o que ajudou o vírus a contaminar cerca de 75 milhões de pessoas no mundo inteiro. O mesmo aconteceu agora com morcegos e o SARS-CoV-2.


"Já não era uma questão de ‘se’, mas de ‘quando’ um vírus pularia de animais para humanos. Estávamos nos preparando para algo assim”, disse à BBC a chefe técnica da Organização Mundial de Saúde (OMS) para a Covid-19, Maria Van Kerkhove.



Intruso silencioso


É quase certo de que jamais se consiga saber quem foi o paciente zero da atual pandemia, mesmo sendo um consenso de que ele foi infectado por um animal silvestre.


"Essas doenças estão surgindo com mais frequência nos últimos anos como resultado da invasão humana ao habitat selvagem e do aumento do contato e consumo de animais selvagens”, explicou Andrew Cunningham, professor da Zoological Society of London.


Para os infectologistas, a maioria das doenças que hoje emergem entre comunidades humanas começou com um vírus saltando, sem ser notado, a barreira entre as espécies. Não apenas o SARS-CoV-2, como também os vírus causadores do Ebola, da raiva e das gripes SARS e MERS se originaram de populações de morcegos selvagens.



Nas imagens registradas em fevereiro/20, publicadas em vídeo pelo canal VOA News, pode-se verificar morcegos e cobras, entre outros animais silvestres, sendo livremente comercializados em um mercado da Indonésia, apesar de um aviso do governo para retirar os animais do cardápio devido ao receio de uma ligação com o mortal coronavírus. Assista ao vídeo / VOA News


O atravessador de vírus


Levar o vírus do morcego à célula humana só foi possível graças a um intermediário: o comércio de animais selvagens. Com as evidências colhidas de outros surtos, os cientistas acreditam que uma das maneiras de evitar uma futura pandemia é, em escala global, lutar pelo fim do comércio de animais silvestres, uma fonte de transmissão de doenças entre espécies.


No caso do causador da Covid-19, a porta de entrada do vírus para o mundo dos humanos não foi o mercado popular de Wuhan (China), o marco zero da pandemia. "O conjunto inicial de infecções estava associado ao mercado, mas isso é circunstancial. A infecção poderia ter vindo de outro lugar e, por acaso, ser transmitida por conta da aglomeração das pessoas no mercado.", explicou James Wood, professor da Universidade de Cambridge.


Para o professor Cunningham, os mercados de vida selvagem são entrepostos para doenças que vivem em animais encontrarem novos hospedeiros. "Misturar um grande número de espécies que normalmente não têm contato, e ainda em condições precárias de higiene, é oferecer oportunidades para os patógenos passarem de uma espécie para outra.”



Come-se de tudo


No caso da SARS, humanos foram contaminados por civetas (um pequeno animal carnívoro), comercializadas como alimento no sul da China. As pistas pelo elo que falta na cadeia de transmissão do SARS-CoV-2 levou os cientistas a animais tão diversos como furões e tartarugas.



Coronavírus foram achados também em pangolins (animal parecido com um ouriço, amplamente traficado). Porém, o sequenciamento do genoma do vírus achado nesse animal mostrou uma similaridade de apenas 90.3% em comparação com o SARS-CoV-2 (é preciso 99.8% para que se estabeleça um vínculo entre as mutações).


A única certeza nessa busca é que o comércio de animais silvestres faz aumentar a possibilidade de sermos contaminados por doenças desconhecidas que procuram silenciosamente por um novo hospedeiro.





Como ajudar a APIPA


Existem diversas formas com as quais o amigo pode participar para contribuir com o trabalho assistencial da APIPA. Um modo bem simples e rápido de ajudar é fazer as doações em dinheiro por meio de transferência/depósito bancário (contas abaixo). O amigo também pode fazer doações (online) por meio do PagSeguro. Lembrando que a nossa associação sobrevive unicamente de doações. Não deixe de oferecer a sua solidariedade em prol do bem-estar dos nossos bichinhos carentes. Ajude-nos!



Faça a sua doação de ração para cães e gatos:


CONTAS BANCÁRIAS DA APIPA (doações)


CNPJ: 10.216.609/0001-56

  • Banco do Brasil Ag: 3507-6 / CC: 57615-8

  • Caixa Econômica Federal Ag: 0855 / Op: 013 / CP: 83090-0

  • Banco Santander Ag: 4326 / CC: 13000087-4




APIPA suspende temporariamente as visitas e adoções de animais, em cautela à pandemia de coronavírus. No entanto, vem lembrar aos amigos que a rotina interna em seu centro de acolhimento continua com seu funcionamento normal, pois não pode parar. Pedimos que continuem ajudando, fazendo as doações.



Para adotar um amiguinho em Teresina, conheça o abrigo de animais carentes da APIPA


As adoções tinham sido temporariamente suspensas por conta da pandemia. Atendendo a pedidos de amigos, a APIPA já começa a disponibilizar alguns animais para adoção. Confira mais informações em post no Facebook.


Com informação do Tecmundo

コメント


bottom of page