• Apipa

Os efeitos da quarentena e o 'novo normal' para os animais

Atualizado: Set 4

Levantamentos mostram o impacto da pandemia de coronavírus e do confinamento no comportamento de tutores e animais. Como será daqui em diante?

Resultados de sondagens apontam que tutores temem que animais fiquem ansiosos ou deprimidos com seu retorno presencial ao trabalho. (Foto: GI / Getty Images)

A chegada do novo coronavírus e a necessidade do isolamento social para as famílias mundo afora desencadearam uma série de mudanças de comportamento. Mas e os pets? O que aconteceu com eles nesse período? Com a quarentena, os animais também se viram mais presos dentro de casa e mais tempo junto aos tutores. Afinal, como isso mexeu com o comportamento deles?


Para responder a essas questões capazes de influenciar o bem-estar de cães e gatos, o Hospital Americano Banfield realizou uma pesquisa com tutores credenciados nesse centro de saúde. O resultado foi surpreendente: 65% dos tutores acreditam que passaram a demonstrar mais afeto pelos animais com a quarentena, 45% sentiram que sua felicidade aumentou por estarem mais próximos deles e 39% acharam que estar com os pets nessa fase ajudou a controlar a própria ansiedade.


Tem mais: quase quatro em cada dez entrevistados pensam que seus bichos estão mais felizes por estarem mais perto dos tutores e 33% se veem mais sintonizados com o animal. Quase metade do público que tem um gato afirmou passar a conversar mais com ele — número que ficou em 33% para os tutores de cães.


Em relação à saúde, 84% dos participantes dizem estar mais preocupados com o estado dos seus animais e 67% relatam que irão levá-los com mais frequência ao veterinário. A quarentena também teve efeitos colaterais negativos: 33% contam que o animal engordou por estar menos ativo no período.


Pensando no retorno ao trabalho, com a flexibilização do isolamento social, quase seis em cada dez entrevistados demonstram preocupação com a ansiedade do seu cão ou gato devido à volta presencial ao emprego, e sete em cada dez se ressentem com a perspectiva de ter menos contato com o pet na retomada das atividades. No estudo, 20% dos americanos ouvidos dizem preferir trabalhar próximo ao animal, 21% buscam ajustar a agenda para ficar mais com o pet depois e 10% planejam adotar outro bicho para fazer companhia ao que já é de casa.


Fim da quarentena: pets sofrerão impacto psicológico


Venha ajudar a APIPA! Falta RAÇÃO e demais itens básicos para manutenção do abrigo


E nos lares brasileiros?


Por aqui, o Hospital Veterinário Sena Madureira, de São Paulo, realizou um levantamento semelhante junto aos tutores paulistanos. A pesquisa detectou que 30% dos animais engordaram por ficarem menos ativos na quarentena e 20% dos tutores relatam algum tipo de ansiedade do pet após essa temporada.


Por outro lado, 48% julgam que seus animais estão mais felizes por estarem mais tempo junto aos tutores, enquanto 57% pretendem dar mais atenção à saúde do bicho na reabertura e 57% querem ampliar a rotina de atividade física com o pet daqui pra frente.


O hospital notou, ainda, um aumento de 60% na procura por reservas de creche. Isso indica que os tutores andam preocupados com o retorno ao trabalho e pensam em deixar seus animais mais entretidos com atividades de recreação, adestramento e interação oferecidas por esse tipo de serviço. Há, sim, uma inquietação em não deixar os animais desamparados nessa retomada após tanto tempo juntos em casa.


Tanto os dados americanos como os brasileiros demonstram como é importante a companhia dos pets para a saúde mental dos tutores, ainda mais nesse período tão conturbado que atravessamos. E reforçam quanto nossa companhia e atenção são valiosas para nossos parceiros de quatro patas.


Guarda Responsável de Animais: assumindo uma vida


Pandemia: APIPA suspende temporariamente adoções e visitas


Ajude a APIPA quitar dívidas pendentes em clínica veterinária


Como ajudar a APIPA


Existem diversas formas com as quais o amigo pode participar para contribuir com o trabalho assistencial da APIPA. Um modo bem simples e rápido de ajudar é fazer as doações em dinheiro por meio de transferência/depósito bancário (contas abaixo). O amigo também pode fazer doações (online) por meio do PagSeguro. Lembrando que a nossa associação sobrevive unicamente de doações. Não deixe de oferecer a sua solidariedade em prol do bem-estar dos nossos bichinhos carentes. Ajude-nos!


Ajude! APIPA pede que as doações continuem durante pandemia


Pandemia: APIPA sofre com redução de 70% nas DOAÇÕES ao abrigo


Faça a sua doação de ração para cães e gatos:

Ajude! Falta ração para alimentar mais de 300 animais famintos


CONTAS BANCÁRIAS DA APIPA (doações)


CNPJ: 10.216.609/0001-56

  • Banco do Brasil Ag: 3507-6 / CC: 57615-8

  • Caixa Econômica Federal Ag: 0855 / Op: 013 / CP: 83090-0

  • Banco Santander Ag: 4326 / CC: 13000087-4


Abandono de animais aumenta e APIPA pede ajuda em Teresina


AJUDE os animais carentes do abrigo da APIPA


Com informações do Blog Pet Saudável

APIPA® - ASSOCIAÇÃO PIAUIENSE DE PROTEÇÃO E AMOR AOS ANIMAIS

CNPJ: 10.216.609/0001-56

BANCO DO BRASIL
Ag: 3507-6 / CC: 57615-8

CAIXA ECONÔMICA FEDERAL
Ag: 0855 / Op: 013 / CP: 83090-0

BANCO SANTANDER
Ag: 4326 / CC: 13000087-4

  • White Facebook Icon
  • White Instagram Icon
  • White YouTube Icon

contato.apipa@gmail.com

Rua Trinta e Oito, 1041 - Loteamento Vila Uruguai - Bairro Uruguai (6 quadras após a UNINOVAFAPI)

Teresina, PI - CEP 64073-167

COPYRIGHT © 2018

Site criado pela Pix Marketing Digital

  • Black Facebook Icon
  • Black Instagram Icon
  • Black YouTube Icon