top of page

Verdades e mentiras sobre coronavírus e animais

Atualizado: 16 de abr. de 2020

Procure manter-se alerta para não se deixar levar pelas falsas notícias (fake news). Há muitas dúvidas que permanecem sobre os animais e o coronavírus, que merecem ser esclarecidas. Afinal, o que é e o que não é verdade a respeito dos animais e da Covid-19? E mais: o que podemos e não podemos fazer com nossos pets no contexto da quarentena?

A pandemia e a consequente quarentena, ao modificarem a rotina das pessoas, afetam negativamente os animais. Neste contexto, a discussão sobre a influência da Covid-19 nos bichos se intensifica em meio a um constante bombardeamento de fake news, invariavelmente gerando mais sofrimento a tutores e pets. (Foto: Yasmin Viega)

Em momentos de indefinições e dúvidas, é natural procurarmos por informações como quem procura uma saída – e, da mesma forma, é compreensível o desejo de dividir com o maior número de pessoas uma eventual novidade, solução, ou mesmo uma notícia grave. Acontece que os tempos de quarentena e de combate ao coronavírus são também tempos de desinformação e das falsas notícias (fake news), e a difusão de inverdades pode ser um combustível terrível para potencializar as angústias, preocupações e sofrimentos, dificultando ainda mais um momento tão complicado. As informações verdadeiras e corretas, em compensação, são aliadas e ajudam na nossa sanidade.


De modo geral, há muitas dúvidas que permanecem sobre os animais e o coronavírus, que merecem ser esclarecidas. Afinal, o que é e o que não é verdade a respeito dos animais e da Covid-19? E mais: o que podemos e não podemos fazer com nossos pets no contexto da quarentena?



Separamos as dúvidas mais frequentes que envolvem os animais e a pandemia – em especial como devemos agir em casa durante a quarentena com nossos cães e gatos – e procuramos responder às verdades, mentiras, dúvidas e poréns sobre o tema. Nem tudo é somente verdade nem somente mentira, mas cada assunto merece os esclarecimentos possíveis e as informações que já possuímos, para podermos melhor lidar com nossos bichos nesse momento.


Morcegos são responsáveis pelo surgimento da doença? Provável, mas…


Não há ainda uma conclusão absoluta sobre a origem do coronavírus, mas é bastante provável que sim, ele tenha vindo de morcegos na China. É provável também que o Pangolim, um dos animais mais traficados do mundo, seja o elo entre o morcego e os seres humanos. Os morcegos são um dos mamíferos mais comuns que existem, e são especialmente resistentes aos vírus – mas eles não são os vilões: quanto mais o ser humano desmata e invade o habitat de animais selvagens, mais comuns serão essas contaminações. Esse é o porém: a culpa do contágio é da ação humana, seja pelo contato direto com animais selvagens, seja pelo desmatamento e o tráfico ilegal de animais silvestres.



Animais domésticos transmitem a doença? Não como hospedeiros, mas…


Novos estudos sugerem que, ainda que os casos sejam raros, animais podem se infectar com o novo coronavírus, mas não podem transmitir como hospedeiros para os seres humanos. O porém, nesse caso, são os 'animais como superfícies', que podem 'carregar' o vírus em seus pelos e patas, da mesma forma que o vírus pode 'resistir' em nossas mãos ou roupas. Por isso é tão importante manter em dia a higiene dos pets, especialmente se eles tiverem de sair à rua ou se expor em qualquer situação. Lavar as patas e os pelos e todos os objetos do bicho com água e sabão, assim como para nós, é a solução.


A vacina contra coronavírus para cães funciona em humanos? Não!


Um vídeo circulou recentemente mostrando vacinas desenvolvidas para cães anteriormente à pandemia atual que já combatiam o coronavírus – e aí começou uma enorme confusão, sugerindo que não só a doença seria antiga, como que a vacina combateria a Covid-19 em seres humanos. Todas essas informações não poderiam estar mais erradas: acontece que existem outros coronavírus anteriores (por isso o uso comum do adjetivo 'novo' para se referir ao vírus atual, responsável pela Covid-19). E mais: o vírus que a vacina canina combate é o CCoV, ou coronavírus entérico canino – uma doença de cães. Portanto, vale frisar o óbvio: vacinas para cães só funcionam para cães. Tomar uma vacina desnecessária sobrecarrega nosso sistema imunológico sem qualquer benefício para nosso corpo. A vacina, portanto, NÃO FUNCIONA para seres humanos e NÃO DEVE ser tomada.



Posso levar meu cão para passear? Não! Mas…


O momento é de isolamento total – devemos permanecer em casa para combater a disseminação da doença. É importante, porém, os cuidados com a saúde do animal: se sair com o animal é algo urgente e inevitável, é fundamental higienizar com água e sabão as patas do animal ao retornar para casa, assim como impedir qualquer contato com outros animais e com pessoas. É igualmente fundamental higienizar todos os objetos, como coleiras, potes e outros utensílios. Recomenda-se também o uso de botas nas patas, como as que protegem de altas temperaturas – botas também devem ser higienizadas no retorno ao lar.


Devo ter algum cuidado especial com a alimentação do meu cachorro? Sim!


Sabemos que boa alimentação é sinônimo de boa saúde, e essa regra também vale para os pets. A quarentena é um momento de estresse e ansiedade para os bichanos, por isso é tão importante cuidar da saúde de nossos amiguinhos ao máximo. Com os passeios impedidos e o espaço reduzido para os cães gastarem sua energia e suas calorias, os animais podem ganhar peso e prejudicar sua saúde, e por isso a melhor e mais natural ração para cachorros é um grande diferencial durante a quarentena.



Recomendamos que ofereça a seu pet uma ração mais natural e saudável possível. Procure as rações que são desenvolvidas a partir de receitas equilibradas baseadas em ingredientes naturais e que não utilizam transgênicos, corantes nem conservantes artificiais. Existe ração que utiliza o alecrim como antioxidante natural. E você deve estar ciente que para cada fase da vida de um cachorro existe uma ração adequada. Os cuidados com a alimentação devem ir além das rações, também quando for oferecer os petiscos, pois seu pet sempre vai esperar que sejam saudáveis e deliciosos.


Devo evitar contato com meu pet? Depende!


Não há nenhuma confirmação ou indício de que os animais domésticos transmitam, como hospedeiros, o novo coronavírus para seres humanos. Mas, conforme dito no caso dos passeios, os pelos, patas e coleiras dos bichos podem servir como superfície para 'transportar' o vírus até outro animal ou para o ser humano. Por isso, quem apresentar sintomas deve sim evitar o contato com os bichos: não por transmissão direta, mas para que outras pessoas que também tenham contato com o animal não se infectem.



Devo me preocupar com o nível de estresse do meu pet? Sim!


Um momento de especial ansiedade ou estresse para os humanos é sempre sentido pelos animais. E quando esse momento altera a rotina da casa e dos próprios bichos, o efeito é direto. No contexto da quarentena, é de imensa importância a interação e a preocupação com seus animais, por isso: brincar com eles sempre que possível, oferecer brinquedos novos, tentar manter velhas rotinas e hábitos podem ajudar os bichanos a enfrentarem conosco esse momento difícil - que se torna um pouco mais fácil na companhia de nossos amiguinhos pets.



Como ajudar a APIPA


Existem diversas formas com as quais o amigo pode participar para contribuir com o trabalho assistencial da APIPA. Um modo bem simples e rápido de ajudar é fazer as doações em dinheiro por meio de transferência/depósito bancário (contas abaixo). O amigo também pode fazer doações (online) por meio do PagSeguro. Lembrando que a nossa associação sobrevive unicamente de doações. Não deixe de oferecer a sua solidariedade em prol do bem-estar dos nossos bichinhos carentes. Ajude-nos!


Faça a sua doação de ração para cães e gatos:


CONTAS BANCÁRIAS DA APIPA (doações)


CNPJ: 10.216.609/0001-56

  • Banco do Brasil Ag: 3507-6 / CC: 57615-8

  • Caixa Econômica Federal Ag: 0855 / Op: 013 / CP: 83090-0

  • Banco Santander Ag: 4326 / CC: 13000087-4




APIPA suspende temporariamente as visitas e adoções de animais, em cautela à pandemia de coronavírus. No entanto, vem lembrar aos amigos que a rotina interna em seu centro de acolhimento continua com seu funcionamento normal, pois não pode parar. Pedimos que continuem ajudando, fazendo as doações.



Para adotar um amiguinho em Teresina, conheça o abrigo de animais carentes da APIPA


As adoções tinham sido temporariamente suspensas por conta da pandemia. Atendendo a pedidos de amigos, a APIPA já começa a disponibilizar alguns animais para adoção. Confira mais informações em post no Facebook.


Com informações do Hypeness

Comments


bottom of page