top of page

Tobi e Rexie: animais dão lições sobre aceitação e inclusão

Adotar animal com deficiência física é ato de amor e solidariedade. Conheça as histórias inspiradoras de adoção solidária do cão Tobi e do gato Rexie Roo, ambos deficientes, sem as duas patas dianteiras.

Conheça o cãozinho Tobi e o gatinho Rexie Roo. (Imagens: @tobithedog18 / @t.rexie.roo / Instagram)

O que um gato e um cachorro podem ter em comum? No caso do cão Tobi e do gato Rexie Roo, a semelhança entre eles é que ambos vivem com apenas duas patas. Recentemente, os dois viraram notícia e viralizaram nas redes sociais por conta dessa característica especial. Além dessa coincidência, Tobi e Rexie também são parecidos quando o assunto é amor por seus tutores.


No estado de Utah, nos Estados Unidos, Cairistiona Flatley criou uma página no Instagram depois de adotar Rexie Roo, para inspirar outras pessoas à adoção responsável de animais com deficiência.


Enquanto isso, quase no extremo oposto do país, no Estado da Virgínia, Paige Bradford, uma professora de educação especial, tem contado com a ajuda de um parceiro de trabalho cativante. Junto com ela, Tobi ensina aos alunos importantes lições.


Em entrevista ao canal ABC 7, Paige afirma que seus alunos não veem o cão como diferente e nem pensam que deveriam sentir pena dele. Eles o veem "como um cachorro muito fofo". Segundo a professora, esse pensamento é fruto de um profundo trabalho pedagógico que busca integrar as diferenças de maneira natural no dia a dia das crianças.


Incentivo à educação inclusiva


Paige contou um episódio divertido, ocorrido antes da pandemia, em que um aluno conseguiu realizar uma tarefa complexa sem perceber, justamente por estar muito animado com a ideia de brincar com o cachorro.


"Um dos meus alunos tem hemiparesia, o que limita seus movimentos do lado direito. Então, eu lhe dei uma guloseima para entregar ao Tobi. Ele teve que usar as duas mãos para abrir a sacola e depois usar a mão direita para entregar o petisco. Foi divertido para os dois", contou a professora.


Com a pandemia, Tobi continua desempenhando um papel importante mesmo durante as aulas à distância. "Uma das melhores coisas que descobrimos é a aceitação", disse Paige. "No início, eles fizeram muitas perguntas e queriam entender por que ele não tinha pernas e por que era diferente", lembra. Ela explica que essas conversas ajudaram as crianças a terem a mente mais aberta, o que fez com que o nível de aceitação da turma com os colegas com deficiência também aumentasse.



Adoção consciente


Adotar um animal com deficiência física é um ato de amor e, acima de tudo, um ato que exige compromisso com as necessidades do bichinho.


Imagens: @tobithedog18 / Instagram

Paige adotou Tobi depois de ver uma postagem sobre ele nas redes sociais. Na época, o cão estava localizado a quilômetros de distância, no Estado do Texas. Antes de adotá-lo, ela ficou sabendo que, além de não ter as patas dianteiras, ele havia nascido sem duas costelas, além de ter uma doença degenerativa por andar tão frequentemente sobre as patas traseiras.


Após buscar orientações detalhadas de como cuidar das necessidades do animal, ela se preparou por alguns meses até poder recebê-lo, em julho de 2018. Paige disse que o cão também está servindo para ela como apoio emocional.


Recentemente, após uma campanha de arrecadação de fundos, Tobi conseguiu ganhar um carrinho adaptado personalizado, que lhe deu mais liberdade de movimentos.


Uma segunda chance para Rexie Roo


O gatinho de duas patas, Rexie Roo, assim como Tobi, também ensina muito sobre superação e amor, além das diferenças. De acordo com o site da Best Friends Animal Society, ONG de bem-estar animal localizada em Utah, os voluntários resgataram o felino de um abrigo rural e o levaram para seu centro de salvamento em Salt Lake City.


Imagens: @t.rexie.roo / Instagram

Depois de chegarem ao local, os veterinários perceberam que suas patas dianteiras estavam muito danificadas, com múltiplas fraturas e uma infecção que poderia ser fatal. Por isso, tiveram que ser amputadas.


A cirurgia salvou a vida do gatinho e o bichinho rapidamente se adaptou à condição de apenas duas patas, impressionando os voluntários. Já pronto para ser integrado a uma nova família, vídeos de Rexie Roo foram publicados no Instagram da Organização.


Cairistiona Flatley já vinha procurando um novo animal para adotar e se encantou ao ver as imagens. Comentando sobre a rápida adaptação de Rexie Roo, a tutora diz que ele é capaz de andar pelo seu apartamento quase tão facilmente quanto um gato de quatro patas.


Ela espera que a paixão do seu gatinho por viver, brincar e dar amor incentive outras pessoas a oferecer um lar para um animal de estimação com necessidades especiais. "Todo mundo tem seus próprios problemas", disse. "Para mim, ele é muito especial. Ele já passou por tanta coisa, mas continua sendo o animal mais doce que já conheci."



 

Cadelinha Érica quer ser adotada - ajude realizar a castração.

 









Solidarize-se com os animais da APIPA

Solidarize-se com os cães e gatos carentes assistidos pela APIPA. O nosso centro de acolhimento está sempre superlotado, operando com o dobro de sua capacidade, sendo necessário que se faça coletas diárias de doações de ração, material de limpeza, medicamentos veterinários e jornais. Um dia de consumo de ração no abrigo equivale a 25 kg para os cães adultos e entre 12 e 15 kg para os gatos, sem contar os filhotes. Para fazer a higienização do abrigo, usamos diariamente 5 litros de desinfetante e 5 litros de detergente, além de muito saco de lixo, esponjas, vassouras e rodos. O amigo interessado em ajudar pode entregar os donativos diretamente na sede da Entidade, ou ainda, se preferir, fazer as doações em dinheiro por meio de depósitos bancários (contas abaixo).


Feliz Aniversário! APIPA congratula a protetora Temis pelos seus 80 anos A protetora Isabel Moura, que é uma das fundadoras e membro da atual diretoria executiva da APIPA, fala um pouco sobre a importância da adoção de animais carentes e o trabalho que a Entidade desenvolve na reabilitação de cães e gatos resgatados em situação de maus-tratos e abandono (vídeo).


Devido à pandemia, as visitas ao abrigo da APIPA sofreram algumas restrições, sendo agora necessário que o visitante faça prévio agendamento por meio do Instagram.

Como ajudar a APIPA

Existem diversas formas com as quais o amigo pode participar para contribuir com o trabalho assistencial da APIPA. Um modo bem simples e rápido de ajudar é fazer as doações em dinheiro por meio de transferência/depósito bancário (contas abaixo). O amigo também pode fazer doações (online) por meio do PagSeguro. Lembrando que a nossa associação sobrevive unicamente de doações. Não deixe de oferecer a sua solidariedade em prol do bem-estar dos nossos bichinhos carentes. Ajude-nos! Ajude! APIPA pede que as doações continuem durante pandemia Pandemia: APIPA sofre com redução de 70% nas DOAÇÕES ao abrigo Faça a sua doação de ração para cães e gatos: Ajude! Falta ração para alimentar mais de 300 animais famintos CONTAS BANCÁRIAS DA APIPA (doações) CNPJ: 10.216.609/0001-56

  • Banco do Brasil Ag: 3507-6 / CC: 57615-8 Pix: apipa.bbrasil@gmail.com

  • Caixa Econômica Federal Ag: 0855 / Op: 013 / CP: 83090-0 Pix: apipa.cef@gmail.com

  • Banco Santander Ag: 4326 / CC: 13000087-4


Com informações do UOL/Ecoa

Comments


bottom of page