top of page

Protetora usa calcinha como cabresto em resgate de jumento no Ceará

Sem conseguir uma corda, e já temendo acontecer um acidente, a protetora Stefani tira a calcinha e a usa como cabresto para prender jumento que vagava às margens de uma rodovia movimentada. Um inusitado gesto de amor motivado pela solidariedade, que resultou no salvamento de dois jumentinhos abandonados no Ceará.

A atitude da protetora Stefani nos dá uma linda lição de amor - providencial. (Imagens: Reprodução)

Uma ativista da causa animal usou a própria calcinha para prender um jumento durante o resgate de dois animais no Anel Viário, em Maracanaú, na Região Metropolitana de Fortaleza. O caso aconteceu no dia 10 de outubro e foi compartilhado nas redes sociais. Veja como aconteceu (vídeo).



Stefani Marinho Rodrigues, 41 anos, estava de carro a caminho do abrigo da ONG Anjos da Proteção Animal (APA), instituição sem fins lucrativos da qual é presidente, quando viu dois jumentos, um deles filhote, caminhando às margens da pista, onde havia intensa movimentação de veículos.


"Parei meu carro, tentei seguir os animais e eles ficaram acelerando os passos. Consegui colocar os dois em cima da calçada de um posto de combustível e pedi cordas aos funcionários ou algum instrumento que pudesse segurar o animal. Não obtive essa ajuda e a única maneira que eu encontrei de segurar o animal foi retirar a minha calcinha e usar para segurar ele. Parece cômico, mas foi a única maneira que encontrei para ajudar aquela vida naquele momento", relata a ativista.


Segundo Stefani, após conter os jumentos, ela entrou em contato com um transporte e os dois animais foram levados para um sítio que faz parte da APA. "Os jumentos foram avaliados por veterinários e estão recebendo suporte de alimentação", disse a presidente.


A ONG Anjos da Proteção Animal já resgatou mais de 500 animais e é registrada formalmente desde 2015. Mas, segundo Stefani, a iniciativa realiza trabalhos de proteção aos animais a mais tempo e se mantém com doações.


"Hoje dou continuidade ao trabalho que meu pai sempre realizou com os animais, dentro da proteção animal. Minha luta vem do berço e eu faço por amor e compaixão. É uma luta muito valorosa, pois estamos salvando vidas, vidas que são esquecidas pelo poder público", afirma a protetora presidente da APA, Stefani Marinho Rodrigues.


Relação de Stefani com animais veio da infância


Nascida em Fortaleza, caçula entre nove irmãos, a relação de Stefani com os animais veio da infância, incentivada pelo pai Luiz Américo, policial militar aposentado, que resgatava cães abandonados da rua para criar.


"Cresci rodeada de animais. Meu pai era um ativista e tinha dó dos animais que ele via na rua, então levava para nossa casa, que era muito espaçosa. Já chegamos a ter 50 cães e gatos em casa. Nessa época, ele usava o salário dele para manter os animais resgatados", relembra Stefani.


Com o tempo, a residência da família, no Bairro Ellery, começou a ficar pequena para a quantidade de animais resgatados e Stefani incentivou o pai a comprar um espaço maior. O local hoje é a sede do abrigo.


"Em 2015 a gente começou a receber muitas denúncias, visitas de fiscalização e falei para o meu pai que estava na hora de formalizar a instituição e comprar um sítio para levar os animais. E assim ele fez, adquiriu o imóvel, trabalhou na construção do prédio, documentamos a ONG e meu pai continuou mantendo", afirma a ativista.


Pouco tempo após a criação formal da APA e construção da sede, Luiz Américo descobriu um câncer no fígado e faleceu aos 86 anos. Com a morte do pai, Stefani ficou à frente da instituição e continuou o trabalho com a ajuda da mãe e do marido, porém, atualmente, o abrigo depende de doações para continuar funcionando.


"Hoje não temos como levar mais nenhum animal para o abrigo, por conta da alimentação. Todos os dias é um desafio para manter os animais", relata a presidente da APA.


'Já passei por muitos apuros por conta dos animais'


Conforme Stefani, ter que tirar a calcinha para segurar um jumento não foi a primeira situação enfrentada por ela na luta pelos animais. A ativista relata que há cerca de um ano foi acionada por outros protetores para resgatar um cachorro ferido a faca no município de Aracoiaba, no interior do Ceará. Na ocasião, de acordo com a ativista, ela teve que deixar o local com a ajuda da polícia.


"Saí às pressas, porque o animal estava sendo ameaçado. O homem alegou que o cachorro avançou nele, mas desacredito dessa versão, pois ele é um animal muito dócil, tanto com agente, como com os outros animais do abrigo. Hoje ele continua aqui, saudável".


Em outra ocasião, a ativista lembra que já chegou a caminhar mais de 30 quilômetros com uma jumenta grávida, que ela viu sendo explorada em uma rua na cidade de Caucaia, no CE.


"Aproveitei o momento que o homem deixou ela [jumenta] deitada na pista, parei meu carro, comprei uma corda em um depósito próximo ao local e fui andando com a jumenta prenhe em direção a um haras que fazia parte do abrigo. Nessa época a gente não tinha transporte para levar o animal e foi o único jeito que encontrei".


Mesmo se hidratando e hidratando o animal, Stefani chegou a ter insolação por conta da caminhada longa exposta ao sol. "Valeu a pena! Hoje em dia ela tem o filhote dela e está aqui. Já passei por muitos apuros por conta de animais", declara.

 





Ajude a Apipa - situação de emergência


Produtos APIPA® - Promoção Especial


PROMOÇÃO INCRÍVEL - CAMISAS POR R$ 45


Cadelinha Érica quer ser adotada - ajude realizar a castração.







Solidarize-se com os animais da APIPA

Solidarize-se com os cães e gatos carentes assistidos pela APIPA. O nosso centro de acolhimento está sempre superlotado, operando com o dobro de sua capacidade, sendo necessário que se faça coletas diárias de doações de ração, material de limpeza, medicamentos veterinários e jornais. Um dia de consumo de ração no abrigo equivale a 25 kg para os cães adultos e entre 12 e 15 kg para os gatos, sem contar os filhotes. Para fazer a higienização do abrigo, usamos diariamente 5 litros de desinfetante e 5 litros de detergente, além de muito saco de lixo, esponjas, vassouras e rodos. O amigo interessado em ajudar pode entregar os donativos diretamente na sede da Entidade, ou ainda, se preferir, fazer as doações em dinheiro por meio de depósitos bancários (contas abaixo). A protetora Isabel Moura, que é uma das fundadoras e membro da atual diretoria executiva da APIPA, fala um pouco sobre a importância da adoção de animais carentes e o trabalho que a Entidade desenvolve na reabilitação de cães e gatos resgatados em situação de maus-tratos e abandono (vídeo).


Devido à pandemia, as visitas ao abrigo da APIPA sofreram algumas restrições, sendo agora necessário que o visitante faça prévio agendamento por meio do Instagram.

Como ajudar a APIPA

Existem diversas formas com as quais o amigo pode participar para contribuir com o trabalho assistencial da APIPA. Um modo bem simples e rápido de ajudar é fazer as doações em dinheiro por meio de transferência/depósito bancário (contas abaixo). O amigo também pode fazer doações (online) por meio do PagSeguro. Lembrando que a nossa associação sobrevive unicamente de doações. Não deixe de oferecer a sua solidariedade em prol do bem-estar dos nossos bichinhos carentes. Ajude-nos! Ajude! APIPA pede que as doações continuem durante pandemia Pandemia: APIPA sofre com redução de 70% nas DOAÇÕES ao abrigo Faça a sua doação de ração para cães e gatos: Ajude! Falta ração para alimentar mais de 300 animais famintos CONTAS BANCÁRIAS DA APIPA (doações) CNPJ: 10.216.609/0001-56

  • Banco do Brasil Ag: 3507-6 / CC: 57615-8 Pix: apipa.bbrasil@gmail.com

  • Caixa Econômica Federal Ag: 0855 / Op: 013 / CP: 83090-0 Pix: apipa.cef@gmail.com

  • Banco Santander Ag: 4326 / CC: 13000087-4


Com informações da TV Verdes Mares

Comments


bottom of page