top of page

Petrópolis: 'animais são último elo com tudo que a pessoa perdeu'

Atualizado: 27 de fev. de 2022

Grupos de resgate permanecem nas áreas afetadas pela tragédia à procura de sinal de vida entre os escombros e casas abandonadas em Petrópolis. Mais de 500 animais vítimas das chuvas já foram resgatados desde o início das buscas na Cidade Imperial, Região Serrana do Rio.


Além do GRAD, outros grupos estão atuando no socorro aos pets vítimas da tragédia, como o RJPET e o PetMóvel. (Fotos: GRAD)

Carla Sássi decidiu criar uma ONG (organização não governamental) para resgatar animais de desastres depois que tempestades arrasaram a região serrana do Rio em 2011. Agora ela está de novo no mesmo lugar, para salvar os bichos da pior tragédia da história de Petrópolis, que também foi causada pelas chuvas, há uma semana.


"O cenário é o mesmo. Parece que não fizeram nada para mudar a situação", lamenta a médica veterinária, de 41 anos.


Carla chegou na quarta-feira passada (16/2) à cidade, junto com outros voluntários do Grupo de Resgate de Animais em Desastre (Grad). Ela calcula que só o seu grupo já salvou mais de 200 bichos. "Todo mundo teve que sair, e os animais ficaram para trás", diz Carla.


O Grad é uma das ONGs que estão trabalhando junto com equipes de emergência e funcionários da Prefeitura para ajudar os animais vitimados pelos deslizamentos, desmoronamentos e enchentes.


A Coordenadoria de Bem-Estar Animal de Petrópolis (Cobea) estima que, ao todo, mais de 500 foram resgatados na cidade até agora. "As áreas que foram afetadas tinham várias famílias", explica Raphaela Buriche, coordenadora do Cobea.


Muita gente fugiu correndo só com a roupa do corpo. Alguns conseguiram salvar os animais. Outros, não.


Agora, já passou o mais crítico - a procura pelos animais no meio dos escombros. O trabalho neste momento é para tirar os que não conseguiram sair das áreas de risco e cuidar da saúde deles.


"Os animais estão muito assustados e arredios, e a gente precisa atravessar barreira caída, ir em área que tem perigo de desabar. Está bem difícil e exaustivo, mas é gratificante porque são vidas que a gente consegue salvar", diz Raphaela.


Também é preciso encontrar um lugar para receber os animais.


Vários perderam seus tutores - mais de 180 pessoas morreram no desastre, e dezenas ainda estão desaparecidas.


Também tem quem só aceita sair de casa se os bichos também tiverem para onde ir. Muitas pessoas ficaram sem teto e foram para abrigos ou para outros lugares onde não dá para os animais ficarem.


Os animais estão sendo levados para lares temporários, e clínicas estão atendendo voluntariamente os feridos.


"Os animais são, às vezes, o único elo das pessoas com tudo que elas perderam, o vínculo que fica com o lugar em que elas moravam", diz Carla Sássi, do Grad.


Fotos: GRAD / COBEA


'Atenção com os animais mudou'


A veterinária conta que começou a fazer esse trabalho depois de ver na TV uma mulher perder seu cachorro na enxurrada em Nova Friburgo, há 12 anos. Ela decidiu ir para lá ajudar por um final de semana e acabou ficando um mês. Criou depois a ONG junto com mais dois veterinários. O Grad já trabalhou em outras tragédias, como o rompimento da barragem de Brumadinho, os incêndios no Pantanal e as enchentes no Acre, na Bahia e em Minas Gerais.


Carla diz que, de todas, o rompimento da barragem em Mariana foi um ponto de virada para a atenção com os animais em desastres. "Antes, eles ficavam em segundo plano, eram invisíveis", diz a veterinária. "Eles não eram tratados como vítimas."


"Mas, em Mariana, o número de animais era gigantesco. Era uma zona rural, e os animais tinham um papel muito importante na vida das pessoas. Ali, a percepção mudou."


'Difícil prever quando os resgates vão acabar'


Ela afirma que uma das grandes dificuldades em Petrópolis tem sido chegar nos pontos de deslizamentos, porque há muito engarrafamento por toda a cidade. "Também tem alerta de chuvas todos os dias, e qualquer chuva agrava a situação."


Carla estima que o Grad deve salvar mais 100 a 150 animais nos próximos dias em Petrópolis.


Raphaela Buriche, do Cobea, diz que ainda não consegue dizer quando os resgates vão terminar. "Queria ter essa resposta, mas não tenho", diz ela.


"São muitas áreas de desabamento, e a cada momento chegam novas informações de animais que precisam de ajuda."


Animais resgatados lotam abrigos



Abrigos estão superlotados com os animais resgatados. Os locais, que há algum tempo já vivem cheios, agora estão precisando abrir espaço para tantos outros cachorrinhos que perderam tudo com as chuvas, até os seus tutores.


Muitos animais que pressentiram o desastre, momentos antes dos deslizamentos, conseguiram fugir dos locais atingidos e sobreviveram.




 



Campanha de arrecadação de ração para os cães e gatos da Apipa


Faça um gesto de amor pelos animais da Apipa


CONTA BANCÁRIA DA APIPA PARA DOAÇÕES CNPJ: 10.216.609/0001-56


Banco do Brasil Ag: 3507-6 / CC: 57615-8 Chave Pix: apipa.bbrasil@gmail.com









Ajude a Apipa - situação de emergência












Produtos APIPA® - Promoção Especial


PROMOÇÃO INCRÍVEL - CAMISAS POR R$ 45


Cadelinha Érica quer ser adotada - ajude realizar a castração.







Solidarize-se com os animais da APIPA

Solidarize-se com os cães e gatos carentes assistidos pela APIPA. O nosso centro de acolhimento está sempre superlotado, operando com o dobro de sua capacidade, sendo necessário que se faça coletas diárias de doações de ração, material de limpeza, medicamentos veterinários e jornais. Um dia de consumo de ração no abrigo equivale a 25 kg para os cães adultos e entre 12 e 15 kg para os gatos, sem contar os filhotes. Para fazer a higienização do abrigo, usamos diariamente 5 litros de desinfetante e 5 litros de detergente, além de muito saco de lixo, esponjas, vassouras e rodos. O amigo interessado em ajudar pode entregar os donativos diretamente na sede da Entidade, ou ainda, se preferir, fazer as doações em dinheiro por meio de depósitos bancários (contas abaixo). A protetora Isabel Moura, que é uma das fundadoras e membro da atual diretoria executiva da APIPA, fala um pouco sobre a importância da adoção de animais carentes e o trabalho que a Entidade desenvolve na reabilitação de cães e gatos resgatados em situação de maus-tratos e abandono (vídeo).


Devido à pandemia, as visitas ao abrigo da APIPA sofreram algumas restrições, sendo agora necessário que o visitante faça prévio agendamento por meio do Instagram.

Como ajudar a APIPA

Existem diversas formas com as quais o amigo pode participar para contribuir com o trabalho assistencial da APIPA. Um modo bem simples e rápido de ajudar é fazer as doações em dinheiro por meio de transferência/depósito bancário (contas abaixo). O amigo também pode fazer doações (online) por meio do PagSeguro. Lembrando que a nossa associação sobrevive unicamente de doações. Não deixe de oferecer a sua solidariedade em prol do bem-estar dos nossos bichinhos carentes. Ajude-nos! Ajude! APIPA pede que as doações continuem durante pandemia Pandemia: APIPA sofre com redução de 70% nas DOAÇÕES ao abrigo Faça a sua doação de ração para cães e gatos: Ajude! Falta ração para alimentar mais de 300 animais famintos CONTAS BANCÁRIAS DA APIPA (doações) CNPJ: 10.216.609/0001-56

  • Banco do Brasil Ag: 3507-6 / CC: 57615-8 Pix: apipa.bbrasil@gmail.com

  • Caixa Econômica Federal Ag: 0855 / Op: 013 / CP: 83090-0 Pix: apipa.cef@gmail.com

  • Banco Santander Ag: 4326 / CC: 13000087-4


Com informações da BBC News Brasil

Comments


bottom of page