• Apipa

O impacto dos fogos de artifício em animais domésticos

Atualizado: 20 de Dez de 2020

Os pets sofrem muito com os barulhos resultantes da queima dos fogos. Para amenizar este terrível sofrimento dos bichinhos, alguns cuidados são importantes e podem evitar que eles se estressem demais na virada do ano. Conheça a técnica 'Tellington Touch', que pode deixar os cachorros mais tranquilos durante o Réveillon.

É responsabilidade do tutor garantir o bem-estar do animal de estimação durante a queima de fogos. (Foto: 94FM)

Se para os humanos o som resultante da explosão de fogos de artifício pode incomodar e assustar, imagine quais são os impactos dos fogos de artifício em animais domésticos, que possuem ouvidos muito mais aguçados e sensíveis a barulhos e ruídos?


O barulho dos fogos de artifício deixa os animais desesperados. Eles fogem, se machucam, têm ataques de pânicos, desmaios e alguns chegam até a falecer, tamanho é o estresse causado pelos ruídos dos fogos.


Ser um tutor responsável significa que você deve prestar atenção no quanto seu pet é sensível a esse tipo de barulho para, caso seja necessário, tomar as medidas necessárias para dar o conforto que ele precisa neste momento.


Quais são os sinais a que os tutores devem estar atentos?


Existem sinais clínicos que dão indícios de que os cães e gatos estão assustados com os barulhos. São eles:

  • Ansiedade

  • Vômitos

  • Medo

  • Convulsões

  • Taquicardia


Em animais epiléticos, o barulho agrava situações de convulsões, mesmo com medicação controlada. Em pets cardiopatas, a arritmia cardíaca tem maior predominância.


Mas esse problema não afeta somente os pets. Aves ao redor dos locais onde há queima de fogos acabam abandonando seus ninhos e, muitas vezes, abandonando seus filhotes para fugir dos barulhos ensurdecedores.


A queima de fogos não atinge somente os animais domésticos. Lembre-se que muitos locais afastados dos centros urbanos onde há a comemoração com fogos, como praias, clubes no interior, chácaras, etc, também são o habitat de animais silvestres, que também sofrem com os impactos do barulho gerado pelos fogos de artifício.


O que fazer quando notar que os pets estão assustados?


A primeira coisa que o tutor deve fazer é estar próximo do pet em um local tranquilo, com as janelas e portas fechadas. Procure demonstrar tranquilidade e faça de conta que nada está acontecendo. Brinque com ele, dê um petisco, tente distraí-lo.


Os barulhos causados por fogos de artifício induzem os cães e gatos a tentarem se abrigar em qualquer lugar, independente da distância ou altura. Por isso, dar maior conforto é essencial para eles, já que existe o risco de seu cão ou gato pular de varandas, sair correndo pelas ruas, pular portões com lanças, já que eles estão totalmente desnorteados e querem encontrar um abrigo tranquilo, onde não haja barulhos.


Guloseimas natalinas: alimentos perigosos para os pets


Recomendações e cuidados

  • Nunca deixe seu cão ou gato sozinho no momento da queima de fogos.

  • Se o seu cachorro ou gato tem muito medo de fogos, já converse com um médico veterinário para que ele prescreva uma medicação. Nada que vá dopar, mas algo que ajude com o medo excessivo.

  • No dia 24 e no dia 31 de dezembro prepare-se para dar uma super canseira no seu pet. Se você tem um cão, faça um passeio mais longo. Se tem um gatinho, aproveite o dia para brincar muito, fazê-lo pular e cansar.

  • Refeições sem exagero na manhã e tarde dos dias 24 e 31 podem ajudar a evitar problemas relacionados ao sistema digestivo do pet.

  • Vai viajar? Escolha um lugar aonde possa levá-los, ou adie a viagem para uma época mais tranquila.

  • Caso fique em casa, deixe o animal em um local confortável e com o menor barulho possível para que ele se sinta seguro. Todo o ambiente deve ser à prova de barulhos. Feche o máximo de portas, cortinas e janelas. Dessa forma, o som ficará abafado e o animal, mais confortável.

  • Atitude positiva é fundamental. Entre em clima de festa, mas esteja pronto para ajudá-lo. Se o seu animal percebe que você se assusta com barulhos, ele vai se contagiar e também sentir medo.

  • Tente acostumar o seu pet com os barulhos. No dia a dia, coloque sons de chuvas e trovões ou até mesmo de fogos para ele ouvir (obviamente num volume baixo). Ao ir se acostumando, o impacto dos fogos pode ser menor.

  • Dias antes do foguetório, crie um porto seguro para o seu pet. Pode ser um quarto, um banheiro ou até a caixa de transporte. Separe este lugar, leve as toquinhas/caminhas (no caso do gato) e brinquedos e petiscos (no caso do cão). Ofereça alimentos lá dentro para que ele vá se acostumando e gostando daquele 'cantinho'. Uma dica importante: o cômodo escolhido deve ser o que tem o som externo mais abafado. Uma parede mais grossa, um vidro mais espesso indicam se é o cômodo ideal.

  • No 'porto seguro' espalhe feromônios, que são substâncias produzidas em laboratórios que simulam odores naturalmente produzidas pelo cão e gato em situações de conforto e harmonia. Pergunte para o seu vet quais feromônios ele recomenda e coloque o difusor na tomada próxima ao chão. Isso deve ser feito já dias antes do foguetório e só vai ser tirado da tomada após o dia 01 de janeiro.

  • Associe os barulhos dos fogos de artifício a momentos legais como brincadeiras ou festas.


Se você vai passar o Réveillon em algum lugar onde sabe que haverá queima de fogos, atente-se a essas recomendações e cuide do seu pet para que ele possa curtir muitos e muitos anos ao seu lado.


APIPA: mais um ano de luta em prol de animais carentes


Alexandre Rossi explica como ajudar os cãezinhos que têm medo de fogos de artifício (vídeo).



Um pano amarrado em torno do corpo do pet pode acalmá-lo (vídeo).



A técnica Tellington Touch


Sabemos que os pets costumam ficar agitados e extremamente assustados quando os fogos começam, pois eles ficam expostos a altos níveis de ruídos. E para ajudar a amenizar o sofrimento do seu cachorro, iremos mostrar uma maneira muito simples, uma técnica chamada Tellington Touch.


A técnica, que foi desenvolvida por Linda Tellington-Jones, baseia-se na informação de que animais que possuem esse tipo de pavor também têm grande sensibilidade nas regiões traseiras, patas e orelhas. Sendo assim, a técnica consiste em atar o cão com um pano para que a circulação sanguínea das regiões extremas do corpo seja estimulada, contribuindo para amenizar as tensões localizadas no dorso do animal, reduzindo a irritabilidade.



Por que a técnica Tellington Touch funciona?


O efeito da pressão da faixa sobre o corpo do cachorro influencia no sistema nervoso dele, que recebe a informação sensitiva, envia ao cérebro e o deixa mais calmo, visto que essa pequena pressão, ativa seu sistema nervoso autônomo.


Tudo isso faz com que sua psique e tronco entrem em harmonia, causando a sensação de segurança e deixando o cão menos agitado. De acordo com Helena Truksa, bióloga com foco em psicologia e especializada em comportamento animal, na Ethos Animal, a técnica funciona, mas não pode ser considerada como a salvação. Pois o efeito pode variar em cada cachorro, dependendo do nível de fobia que ele possui.


Contudo, ela diz que "os cães se sentem mais seguros em locais pequenos e apertados, e as faixas e camisetas desenvolvidas com essa finalidade, simulam esta sensação". Mas complementa dizendo que “isso não quer dizer que o cachorro vai ficar tranquilo [...] apenas vai ter menos medo da situação”, ressalta Truska.


NatAU Animal: posto de coleta de doações no Riverside Shopping


Castrar é preciso: apadrinhe uma castração no abrigo da APIPA


Guarda Responsável de Animais: assumindo uma vida


APIPA registra aumento de 50% nas adoções de animais durante quarentena


Ajude a APIPA quitar dívidas pendentes em clínica veterinária


Como ajudar a APIPA


Existem diversas formas com as quais o amigo pode participar para contribuir com o trabalho assistencial da APIPA. Um modo bem simples e rápido de ajudar é fazer as doações em dinheiro por meio de transferência/depósito bancário (contas abaixo). O amigo também pode fazer doações (online) por meio do PagSeguro. Lembrando que a nossa associação sobrevive unicamente de doações. Não deixe de oferecer a sua solidariedade em prol do bem-estar dos nossos bichinhos carentes. Ajude-nos!


Ajude! APIPA pede que as doações continuem durante pandemia


Pandemia: APIPA sofre com redução de 70% nas DOAÇÕES ao abrigo


Faça a sua doação de ração para cães e gatos:

Ajude! Falta ração para alimentar mais de 300 animais famintos

CONTAS BANCÁRIAS DA APIPA (doações)


CNPJ: 10.216.609/0001-56

  • Banco do Brasil Ag: 3507-6 / CC: 57615-8 Chave Pix: apipa.bbrasil@gmail.com

  • Caixa Econômica Federal Ag: 0855 / Op: 013 / CP: 83090-0 Chave Pix: apipa.cef@gmail.com

  • Banco Santander Ag: 4326 / CC: 13000087-4


Abandono de animais aumenta e APIPA pede ajuda em Teresina


AJUDE os animais carentes do abrigo da APIPA


Com informações do AMPARA Animal

APIPA® - ASSOCIAÇÃO PIAUIENSE DE PROTEÇÃO E AMOR AOS ANIMAIS

CNPJ: 10.216.609/0001-56

BANCO DO BRASIL
Ag: 3507-6 / CC: 57615-8

CAIXA ECONÔMICA FEDERAL
Ag: 0855 / Op: 013 / CP: 83090-0

BANCO SANTANDER
Ag: 4326 / CC: 13000087-4

  • White Facebook Icon
  • White Instagram Icon
  • White YouTube Icon

contato.apipa@gmail.com

Rua Trinta e Oito, 1041 - Loteamento Vila Uruguai - Bairro Uruguai (6 quadras após a UNINOVAFAPI)

Teresina, PI - CEP 64073-167

COPYRIGHT © 2018

Site criado pela Pix Marketing Digital

  • Black Facebook Icon
  • Black Instagram Icon
  • Black YouTube Icon