top of page

Leishmaniose: doença pode ser silenciosa no corpo do cão

O mês de agosto marca o período de conscientização sobre a importância da prevenção da leishmaniose, que pode afetar os cães de forma silenciosa.

A leishmaniose não é transmitida do cachorro diretamente para os seres humanos. A Leishmaniose é transmitida apenas pelo mosquito palha e não pelos cachorros ou outros animais. Além dos repelentes, a vacinação é um meio importante para o combate à proliferação da doença. (Foto: Blog Leishmaniose Visceral Canina)

A leishmaniose é uma doença considerada endêmica no país, afetando anualmente um número elevado de cães e, em agosto, o debate sobre esse tema é estimulado pela campanha 'Agosto Verde', que consiste em ações de conscientização sobre a importância da adoção de medidas de prevenção para o problema.


Também conhecida como calazar, a leishmaniose é uma infecção parasitária que afeta os animais e também os humanos. A transmissão ocorre por meio da picada do mosquito palha (Lutzomyia longipalpis) infectado. É bem semelhante ao que acontece com a dengue, contudo, ao contrário do Aedes aegypti, o Lutzomyia longipalpis não se prolifera em água parada, mas em lixos orgânicos.


O ciclo de contágio acontece da seguinte forma: o cão se contamina ao ser picado por um mosquito palha infectado pelo protozoário da espécie Leishmania. A partir desse momento o animal serve de reservatório para o vetor, o que aumenta o risco de transmissão para os humanos e outros cães.


“O cão não transmite a doença diretamente para o tutor. Para que a transmissão aconteça, o mosquito precisa picar um hospedeiro infectado, ingerindo assim a leishmania para depois transmiti-la para um novo indivíduo”, explica a médica veterinária Nathalia Fleming.


A doença age silenciosamente no organismo dos animais, por isso, mesmo infectados, os cães podem demorar anos para apresentar sinais clínicos. Estima-se que cerca de 60% dos animais são assintomáticos.


Entre os sintomas associados à enfermidade estão as lesões de pele, emagrecimento, anemia, crescimento exacerbado das unhas, insuficiência renal e alterações oculares. Além das manifestações visíveis, a doença compromete o funcionamento do organismo do pet e sua imunidade, o que pode gerar uma série de complicações e até mesmo levar o animal ao óbito.


O diagnóstico da patologia é feito por meio da realização de exames, como a sorologia sanguínea. Os animais afetados precisam de tratamento e acompanhamento veterinário por toda a vida, pois não existe cura para leishmaniose.


Desta maneira, a prevenção é indispensável para proteger os animais e conter os avanços da doença, que está disseminada por todo o país. “Evitar a ação do vetor é a melhor estratégia de controle para evitar a contaminação dos cães”, afirma Nathalia.


O conceito de dupla defesa é o mais indicado para a proteção dos cães, sendo citado como método preventivo da leishmaniose visceral canina pelo Conselho Federal de Medicina Veterinária (CFMV) e pela Associação Mundial de Clínicos Veterinários de Pequenos Animais (WSAVA).


A metodologia consiste no uso de duas medidas: vacinação e utilização de produto repelente. O objetivo é proteger o cão por fora (repelente), para evitar a picada do mosquito palha infectado, e por dentro (vacina), caso o cão seja picado.


Além disso, é preciso investir também em estratégias para mitigar o desenvolvimento do vetor que se reproduz em locais úmidos, sombreados e que sejam ricos em matéria orgânica. Portanto, evitar o acúmulo de matéria orgânica, como entulhos, folhas, fezes de animais e frutos em decomposição é fundamental para controlar o ciclo da doença.


A leishmaniose visceral canina é uma doença crônica que afeta o bem-estar e a vida dos animais contaminados, por isso é indispensável investir em medidas que permitam a proteção dos cães.



 

Cadelinha Érica quer ser adotada - ajude realizar a castração.

 









Solidarize-se com os animais da APIPA

Solidarize-se com os cães e gatos carentes assistidos pela APIPA. O nosso centro de acolhimento está sempre superlotado, operando com o dobro de sua capacidade, sendo necessário que se faça coletas diárias de doações de ração, material de limpeza, medicamentos veterinários e jornais. Um dia de consumo de ração no abrigo equivale a 25 kg para os cães adultos e entre 12 e 15 kg para os gatos, sem contar os filhotes. Para fazer a higienização do abrigo, usamos diariamente 5 litros de desinfetante e 5 litros de detergente, além de muito saco de lixo, esponjas, vassouras e rodos. O amigo interessado em ajudar pode entregar os donativos diretamente na sede da Entidade, ou ainda, se preferir, fazer as doações em dinheiro por meio de depósitos bancários (contas abaixo).


Feliz Aniversário! APIPA congratula a protetora Temis pelos seus 80 anos A protetora Isabel Moura, que é uma das fundadoras e membro da atual diretoria executiva da APIPA, fala um pouco sobre a importância da adoção de animais carentes e o trabalho que a Entidade desenvolve na reabilitação de cães e gatos resgatados em situação de maus-tratos e abandono (vídeo).


Devido à pandemia, as visitas ao abrigo da APIPA sofreram algumas restrições, sendo agora necessário que o visitante faça prévio agendamento por meio do Instagram.

Como ajudar a APIPA

Existem diversas formas com as quais o amigo pode participar para contribuir com o trabalho assistencial da APIPA. Um modo bem simples e rápido de ajudar é fazer as doações em dinheiro por meio de transferência/depósito bancário (contas abaixo). O amigo também pode fazer doações (online) por meio do PagSeguro. Lembrando que a nossa associação sobrevive unicamente de doações. Não deixe de oferecer a sua solidariedade em prol do bem-estar dos nossos bichinhos carentes. Ajude-nos! Ajude! APIPA pede que as doações continuem durante pandemia Pandemia: APIPA sofre com redução de 70% nas DOAÇÕES ao abrigo Faça a sua doação de ração para cães e gatos: Ajude! Falta ração para alimentar mais de 300 animais famintos CONTAS BANCÁRIAS DA APIPA (doações) CNPJ: 10.216.609/0001-56

  • Banco do Brasil Ag: 3507-6 / CC: 57615-8 Pix: apipa.bbrasil@gmail.com

  • Caixa Econômica Federal Ag: 0855 / Op: 013 / CP: 83090-0 Pix: apipa.cef@gmail.com

  • Banco Santander Ag: 4326 / CC: 13000087-4


Com informações do Canal do Pet

コメント


bottom of page