top of page

Gravidez e animais: como adaptar o convívio entre bebê e pet

Reportagem esclarece dúvidas sobre a maternidade e a relação do bebê com os animais de estimação. Como adaptar o convívio do novo membro da família com os pets que já habitam o lar?


Veterinária esclarece como deve ser a relação entre gestante, bebê e animais de estimação. (Foto: iStock)

A gravidez promove um verdadeiro turbilhão de emoção nas gestantes, que a todo o momento veem novas dúvidas surgirem. Em tempo de pandemia, a preocupação com a saúde se acentua ainda mais. Na série de reportagens produzidas pela apresentadora Sabrina Aguiar, da NDTV, diversos anseios, receios e dúvidas das mães são trazidos à tona.


Depois de falar sobre como se proteger e proteger o bebê da Covid-19, é a vez de trazer uma dúvida de muitas mamães: como adaptar o convívio do novo membro da família com os animais de estimação que já habitam o lar? Veja matéria (vídeo).



Snow, o gatinho da apresentadora acompanhou toda a gestação e, agora, está construindo uma relação de amizade com o pequeno Luca, mas muitas vezes esse elo pode ser difícil e a chegada de um novo membro na família, quando a casa já tem um bichinho de estimação, exige um período de adaptação.


Por isso, os veterinários alertam para alguns cuidados, especialmente para a atenção a esse período de adaptação, que deve começar já durante a gestação. Grávida e com três bichinhos de estimação em casa, a veterinária Karina Kruger desmistifica o principal medo: a toxoplasmose.


“A gente se contamina muito mais fácil através de carne crua, mal passada, com má higiene e também com verduras mal higienizadas. É muito improvável que você pegue isso do gato”, explica. "A higiene é fundamental e vale para todos os animais, não apenas os gatos", salienta a veterinária.


Após a gestação e com a chegada do bebê, como fazer essa adaptação? Segundo a veterinária, o segredo está na rotina. “Quando o bebê chegar na família, é muito importante seguir essa rotina. É uma mudança muito grande quando o bebê chega, então é preciso controlar para não descontar no animal, porque pode ainda piorar a situação, gerar uma alteração de comportamento, o animal pode querer chamar a atenção fazendo xixi no lugar errado, tendo comportamento, às vezes, de agressividade ou mais retraído, gerando outros problemas”, diz.


Além de manter a rotina que já é conhecida pelo animal, ela reforça que é importante manter os cuidados com o bichinho, como manter a programação de saúde com vacinas e visitas ao veterinário e não mudar a programação de banhos.


“É uma relação muito positiva sempre, com família, gestante e animais. E, depois, com a chegada do bebê e o começo do convívio com o animal é tudo muito positivo. É uma relação que só agrega, nunca teremos prejuízo, desde que se mantenham as noções básicas de higiene e todo mundo saudável”, finaliza.


 




Faça um gesto de amor pelos animais da Apipa


CONTA BANCÁRIA DA APIPA PARA DOAÇÕES CNPJ: 10.216.609/0001-56


Banco do Brasil Ag: 3507-6 / CC: 57615-8 Chave Pix: apipa.bbrasil@gmail.com









Ajude a Apipa - situação de emergência












Produtos APIPA® - Promoção Especial


PROMOÇÃO INCRÍVEL - CAMISAS POR R$ 45


Cadelinha Érica quer ser adotada - ajude realizar a castração.







Solidarize-se com os animais da APIPA

Solidarize-se com os cães e gatos carentes assistidos pela APIPA. O nosso centro de acolhimento está sempre superlotado, operando com o dobro de sua capacidade, sendo necessário que se faça coletas diárias de doações de ração, material de limpeza, medicamentos veterinários e jornais. Um dia de consumo de ração no abrigo equivale a 25 kg para os cães adultos e entre 12 e 15 kg para os gatos, sem contar os filhotes. Para fazer a higienização do abrigo, usamos diariamente 5 litros de desinfetante e 5 litros de detergente, além de muito saco de lixo, esponjas, vassouras e rodos. O amigo interessado em ajudar pode entregar os donativos diretamente na sede da Entidade, ou ainda, se preferir, fazer as doações em dinheiro por meio de depósitos bancários (contas abaixo). A protetora Isabel Moura, que é uma das fundadoras e membro da atual diretoria executiva da APIPA, fala um pouco sobre a importância da adoção de animais carentes e o trabalho que a Entidade desenvolve na reabilitação de cães e gatos resgatados em situação de maus-tratos e abandono (vídeo).


Devido à pandemia, as visitas ao abrigo da APIPA sofreram algumas restrições, sendo agora necessário que o visitante faça prévio agendamento por meio do Instagram.

Como ajudar a APIPA

Existem diversas formas com as quais o amigo pode participar para contribuir com o trabalho assistencial da APIPA. Um modo bem simples e rápido de ajudar é fazer as doações em dinheiro por meio de transferência/depósito bancário (contas abaixo). O amigo também pode fazer doações (online) por meio do PagSeguro. Lembrando que a nossa associação sobrevive unicamente de doações. Não deixe de oferecer a sua solidariedade em prol do bem-estar dos nossos bichinhos carentes. Ajude-nos! Ajude! APIPA pede que as doações continuem durante pandemia Pandemia: APIPA sofre com redução de 70% nas DOAÇÕES ao abrigo Faça a sua doação de ração para cães e gatos: Ajude! Falta ração para alimentar mais de 300 animais famintos CONTAS BANCÁRIAS DA APIPA (doações) CNPJ: 10.216.609/0001-56

  • Banco do Brasil Ag: 3507-6 / CC: 57615-8 Pix: apipa.bbrasil@gmail.com

  • Caixa Econômica Federal Ag: 0855 / Op: 013 / CP: 83090-0 Pix: apipa.cef@gmail.com

  • Banco Santander Ag: 4326 / CC: 13000087-4


Com informações do NDmais

Comments


bottom of page