top of page

Câncer de pele em cachorro: conheça a doença

O câncer de pele em cachorro é uma doença que assusta os tutores, mas que apresenta tratamento e boas taxas de recuperação. Aqui você vai conhecer um pouco mais sobre essa temida doença, suas causas, sintomas, tratamentos e como prevenir esse tipo de neoplasia que é bastante comum em pets.


O CÂNCER EM CACHORRO TEM CURA? A resposta mais simples é: 'dependendo do tipo e do estadiamento em que se encontra'. Essa declaração, essencialmente, já justifica a importância dos exames de prevenção regulares e dos diagnósticos precoces. (Foto: Divulgação / Petz)

As doenças que afetam os cães são motivos de grande preocupação para os tutores. Algumas delas podem apresentar complicações mais simples, enquanto outras evoluem para casos mais graves, como é o caso do câncer de pele em cachorro.


Em primeiro momento, o câncer de pele em cachorro é uma doença que assusta os tutores, porém, apresenta tratamento e boas taxas de recuperação. Por isso, neste artigo, você vai conhecer um pouco mais sobre o câncer de pele em cães, as causas, os sintomas, os tratamentos e como prevenir a doença que pode afetar os pets.


O que é o câncer?


Conhecido cientificamente como neoplasia, o câncer em cachorro é um tumor maligno, que pode colocar em risco a saúde do animal. Ocorre quando há crescimento anormal das células, que se multiplicam de forma descontrolada devido a anomalias na divisão.


As neoplasias podem ser definidas como benigna ou maligna, a depender de certas características, como a capacidade de infectar outras células. O primeiro caso (benigna) cresce de forma retardada e limitada, enquanto o segundo (maligna) se desenvolve de maneira mais acelerada e é mais prejudicial à saúde do pet.


No entanto, independentemente do diagnóstico a respeito da característica do tumor, é imprescindível levar o cachorro ao médico-veterinário para o profissional analisar o quadro do câncer de pele e indicar o tratamento necessário, além dos cuidados que precisam ser tomados.


Todo tumor é câncer? Não! Nem todo tumor é câncer. A palavra tumor corresponde ao aumento de volume observado numa parte qualquer do corpo. Quando o tumor se dá por crescimento do número de células, ele é chamado neoplasia - que pode ser benigna ou maligna. Ao contrário do câncer, que é neoplasia maligna, as neoplasias benignas têm seu crescimento de forma organizada, em geral lento, e apresenta limites bem nítidos, sem invadir os tecidos vizinhos e sem desenvolver metástases.


O câncer de pele em cachorro


O cachorro com câncer de pele está entre as neoplasias mais comuns nos centros e nas clínicas veterinárias. É o que explica a médica-veterinária Heloisa Souza. “Isso acontece pelo fato da pele ser o maior órgão do corpo, além de ter diversos tipos de células suscetíveis ao desenvolvimento de tumores”, comenta a especialista.


Apesar de se tratar de um problema comum entre os cães de diversas raças, a situação não deixa de ser alarmante para os tutores e os pets. Por isso, ao surgimento de sinais de um tumor, é importante procurar a ajuda de um profissional qualificado.



Tipos de câncer de pele em cachorro


O câncer de pele em cachorro possui diversas variações, que podem se manifestar de diferentes formas no organismo do animal, cada uma com uma particularidade. Confira algumas delas abaixo:

  • Melanoma;

  • Mastocitoma;

  • Lipoma;

  • Adenoma perianal;

  • Carcinoma de células escamosas;

  • Tricoblastoma;

  • Histiocitoma.


Cada tipo de tumor terá um comportamento diferente em cada organismo. Por isso, é importante estar atento à saúde do animal e realizar consultas periódicas para a análise do quadro de forma adequada.


As causas do câncer de pele em cachorro


Em humanos, o câncer de pele é muito associado à exposição excessiva ao sol. Porém, para nossos amigos de quatro patas, o quadro é um tanto diferente. A Dra. Heloísa comenta que, no caso dos cães, o principal motivo é genético.


“A pele possui alta regeneração, renovando-se com frequência. Isso pode predispor ao surgimento de células anormais e tumores”, comenta. Entretanto, a especialista lembra que a exposição ao sol também é um perigo para os peludos. É necessário estar atento aos passeios em dias ensolarados, especialmente para pets de cor clara, como brancos ou albinos.


Sintomas do câncer de pele nos cachorros


Assim como outros tipos de enfermidade, o câncer possui um tratamento mais efetivo quando isso ocorre ainda no início. Por isso, o tutor deve ficar atento à saúde do cachorro, percebendo possíveis sintomas de câncer de pele. De acordo com a Dra. Heloísa, os principais sinais estão descritos abaixo:

  • Nódulos;

  • Mudança na cor de pele;

  • Alterações no aspecto da pele;

  • Sangramentos;

  • Secreções;

  • Feridas que demoram para cicatrizar.


Diagnóstico e tratamento da doença


O diagnóstico para o câncer de pele em cachorro envolve diferentes etapas, responsáveis por entender a origem da doença e a célula afetada. Em um primeiro momento, é realizado um exame clínico, levando em consideração sinais visíveis, idade, histórico e raça do pet.


Outros pontos importantes são a biópsia e o exame histopatológico. Esses testes analisam as células, e o veterinário poderá classificar o tumor. Na maioria das vezes, o tratamento é realizado por meio de cirurgia, removendo a pele da área afetada.


Em alguns casos, pode ser necessário quimioterapia ou radioterapia, dependendo das características da doença. Por sorte, o câncer de pele em cachorro tem cura e possui boas taxas de recuperação, especialmente se for tratado ainda no início.


Prevenção da doença


Apesar de, geralmente, não apresentar grandes complicações, o câncer de pele em cachorro é considerado um problema sério. Por isso, o mais indicado é prevenir a doença e seguir as recomendações do veterinário.


A Dra. Heloísa reforça que não devemos sair com nossos pets em horários de muita incidência de luz solar, como é o período do dia compreendido das 10h às 16h. Em alguns casos, especialmente para os cães que se expõem mais ao Sol, é recomendado o uso de protetor solar.


As visitas periódicas ao veterinário devem ser feitas para analisar o câncer de pele em cachorro e outras complicações que podem surgir nessa área. No entanto, leve seu pet para um profissional qualificado.


Agora que você já sabe a respeito da doença que pode afetar a pele dos cãezinhos, é importante ficar atento aos sinais do surgimento de outras complicações no pet. Aproveite para conferir outras dicas de bem-estar animal no Blog da Apipa.


Leia também:

 




Faça um gesto de amor pelos animais da Apipa


CONTA BANCÁRIA DA APIPA PARA DOAÇÕES CNPJ: 10.216.609/0001-56


Banco do Brasil Ag: 3507-6 / CC: 57615-8 Chave Pix: apipa.bbrasil@gmail.com









Ajude a Apipa - situação de emergência












Produtos APIPA® - Promoção Especial


PROMOÇÃO INCRÍVEL - CAMISAS POR R$ 45


Cadelinha Érica quer ser adotada - ajude realizar a castração.







Solidarize-se com os animais da APIPA

Solidarize-se com os cães e gatos carentes assistidos pela APIPA. O nosso centro de acolhimento está sempre superlotado, operando com o dobro de sua capacidade, sendo necessário que se faça coletas diárias de doações de ração, material de limpeza, medicamentos veterinários e jornais. Um dia de consumo de ração no abrigo equivale a 25 kg para os cães adultos e entre 12 e 15 kg para os gatos, sem contar os filhotes. Para fazer a higienização do abrigo, usamos diariamente 5 litros de desinfetante e 5 litros de detergente, além de muito saco de lixo, esponjas, vassouras e rodos. O amigo interessado em ajudar pode entregar os donativos diretamente na sede da Entidade, ou ainda, se preferir, fazer as doações em dinheiro por meio de depósitos bancários (contas abaixo). A protetora Isabel Moura, que é uma das fundadoras e membro da atual diretoria executiva da APIPA, fala um pouco sobre a importância da adoção de animais carentes e o trabalho que a Entidade desenvolve na reabilitação de cães e gatos resgatados em situação de maus-tratos e abandono (vídeo).


Devido à pandemia, as visitas ao abrigo da APIPA sofreram algumas restrições, sendo agora necessário que o visitante faça prévio agendamento por meio do Instagram.

Como ajudar a APIPA

Existem diversas formas com as quais o amigo pode participar para contribuir com o trabalho assistencial da APIPA. Um modo bem simples e rápido de ajudar é fazer as doações em dinheiro por meio de transferência/depósito bancário (contas abaixo). O amigo também pode fazer doações (online) por meio do PagSeguro. Lembrando que a nossa associação sobrevive unicamente de doações. Não deixe de oferecer a sua solidariedade em prol do bem-estar dos nossos bichinhos carentes. Ajude-nos! Ajude! APIPA pede que as doações continuem durante pandemia Pandemia: APIPA sofre com redução de 70% nas DOAÇÕES ao abrigo Faça a sua doação de ração para cães e gatos: Ajude! Falta ração para alimentar mais de 300 animais famintos CONTAS BANCÁRIAS DA APIPA (doações) CNPJ: 10.216.609/0001-56

  • Banco do Brasil Ag: 3507-6 / CC: 57615-8 Pix: apipa.bbrasil@gmail.com

  • Caixa Econômica Federal Ag: 0855 / Op: 013 / CP: 83090-0 Pix: apipa.cef@gmail.com

  • Banco Santander Ag: 4326 / CC: 13000087-4


Com informações do Petz

bottom of page