top of page

Bicho de pé: uma pulga que pode gerar quadro grave em pets

É uma doença parasitária causada pela penetração da pulga 'Tunga penetrans' na pele de seus hospedeiros, que podem ser animais e humanos. Saiba como diagnosticar e prevenir.

Pets também sofrem com a pulga que causa o bicho de pé, especialmente os cachorros. Para eliminar este parasita, recomendamos que procure o auxílio de um veterinário. Areia e grama podem ser áreas para contágio. (Imagens: Getty Images / iStockphoto)

Uma pequena pulga de nome curioso, Tunga penetrans, pode causar muitos problemas para os pets, sendo também um perigo para os tutores. É que a tungíase, mais conhecida como 'bicho de pé', além de provocar dores, prostração, perda de peso, problemas de mobilidade e até alterações comportamentais nos bichinhos, também pode contaminar os humanos.


Com 1 mm de comprimento, a pulguinha é poderosa. Enquanto desenvolve seus ovos, a fêmea grávida invade o organismo de animais e humanos para se nutrir de sangue.


"É uma doença parasitária causada pela penetração da pulga na pele de seu hospedeiro. Tanto os machos quanto as fêmeas são hematófagos (alimentam-se de sangue), mas somente a fêmea, após ser fecundada, penetra na pele, onde se iniciará o processo de amadurecimento de seus ovos, eliminando-os no meio ambiente", explica a veterinária Khadine Kazue Kanayama, do Hospital Veterinário da Faculdade de Medicina Veterinária e Zootecnia da USP.


Apesar de cães, gatos e roedores serem hospedeiros importantes, o cão é considerado o principal em comunidades endêmicas. "Há uma variedade de mamíferos, incluindo animais domésticos, considerados hospedeiros, desempenhando um papel fundamental na dinâmica de transmissão", afirma Khadine.


De acordo com ela, o bicho de pé em animais frequentemente ocorre junto com o de humanos, mas a forma animal é extremamente negligenciada, apesar de sua importância para a saúde pública e animal.


Como diagnosticar


Para saber se o pet está com o bicho de pé, é necessário que seja avaliado por um veterinário. Porém, o tutor pode ficar atento a alguns sinais mais característicos ao problema, como lambidas excessivas aos locais afetados e desobediência a comandos.


"Outros sintomas podem estar presentes como dor, claudicação, edema local, mobilidade limitada, prostração e perda de peso", indica a veterinária.


Qualquer parte do corpo do pet que fique exposta ao parasita poderá ser atingida, mas as que ficam próximas do solo são as mais afetadas, como coxins (as almofadinhas das patinhas), região periungueal (laterais das unhas), região interdigital, cauda e testículos, além do focinho.


A recomendação dos especialistas é que o tutor nunca deva tentar remover sozinho o parasita do animal infestado nem manipular as lesões ou aplicar produtos sem orientação técnica.


Nos humanos, a permanência da tal pulguinha dentro da pele provoca coceira, infecções e inchaços dolorosos. Se não for retirada, e o local, esterilizado, pode ter consequências perigosas, como inflamações mais graves, úlceras, tétano ou gangrenas.


Como prevenir


Evitar o contato com areias de construção e grama de procedência desconhecida, assim como de praias infectadas, é recomendado tanto para animais, quanto para humanos.


Outra indicação é que os animais sejam examinados regularmente por veterinários para que as infestações sejam evitadas.


"O cão que não receber o tratamento adequado e não tiver restrição aos ambientes contaminados, permanecerá infectado, com perpetuação das manifestações clínicas. As altas intensidades de infecção causam morbidade animal significativa que é frequentemente exacerbada por escoriações e infecções bacterianas secundárias que são potencialmente fatais", lembra.



Bicho geográfico também é ameaça


Por não conhecer ao certo as diferenças, há quem confunda bicho de pé com bicho geográfico. De acordo com a veterinária Juli Di Segni, o bicho geográfico é provocado por um verme, o Ancylostoma caninum, muito comum em regiões tropicais, que pode parasitar o intestino dos animais.


"O animal com ancilostomíase defeca na areia, elimina ovos do parasita nas fezes, que se transformam em larvas. As pessoas e os cães em contato com essas larvas ou com as fezes contaminadas, podem contrair a doença", conta.


A patologista clínica Fernanda Ishii explica que quando a pessoa tem um ferimento na pele, essa larva penetra causando uma reação inflamatória. "É quando conseguimos observar aqueles 'caminhos' na pele das pessoas", disse.


Nos animais, cães ou gatos, o problema pode gerar anemias e até queda de pelos e úlceras intestinais, nos casos mais agudos. A recomendação de Fernanda é que os tutores evitem expor os animais a gramados onde outros animais defecaram, pois podem representar a potencial presença do parasita.








Solidarize-se com os animais da APIPA

Solidarize-se com os cães e gatos carentes assistidos pela APIPA. O nosso centro de acolhimento está sempre superlotado, operando com o dobro de sua capacidade, sendo necessário que se faça coletas diárias de doações de ração, material de limpeza, medicamentos veterinários e jornais. Um dia de consumo de ração no abrigo equivale a 25 kg para os cães adultos e entre 12 e 15 kg para os gatos, sem contar os filhotes. Para fazer a higienização do abrigo, usamos diariamente 5 litros de desinfetante e 5 litros de detergente, além de muito saco de lixo, esponjas, vassouras e rodos. O amigo interessado em ajudar pode entregar os donativos diretamente na sede da Entidade, ou ainda, se preferir, fazer as doações em dinheiro por meio de depósitos bancários (contas abaixo).


Ajude! Cadela Paloma foi resgatada e internada para tratamento A protetora Isabel Moura, que é uma das fundadoras e membro da atual diretoria executiva da APIPA, fala um pouco sobre a importância da adoção de animais carentes e o trabalho que a Entidade desenvolve na reabilitação de cães e gatos resgatados em situação de maus-tratos e abandono (vídeo).


Devido à pandemia, as visitas ao abrigo da APIPA sofreram algumas restrições, sendo agora necessário que o visitante faça prévio agendamento por meio do Instagram.

Como ajudar a APIPA

Existem diversas formas com as quais o amigo pode participar para contribuir com o trabalho assistencial da APIPA. Um modo bem simples e rápido de ajudar é fazer as doações em dinheiro por meio de transferência/depósito bancário (contas abaixo). O amigo também pode fazer doações (online) por meio do PagSeguro. Lembrando que a nossa associação sobrevive unicamente de doações. Não deixe de oferecer a sua solidariedade em prol do bem-estar dos nossos bichinhos carentes. Ajude-nos! Ajude! APIPA pede que as doações continuem durante pandemia Pandemia: APIPA sofre com redução de 70% nas DOAÇÕES ao abrigo Faça a sua doação de ração para cães e gatos: Ajude! Falta ração para alimentar mais de 300 animais famintos CONTAS BANCÁRIAS DA APIPA (doações) CNPJ: 10.216.609/0001-56

  • Banco do Brasil Ag: 3507-6 / CC: 57615-8 Pix: apipa.bbrasil@gmail.com

  • Caixa Econômica Federal Ag: 0855 / Op: 013 / CP: 83090-0 Pix: apipa.cef@gmail.com

  • Banco Santander Ag: 4326 / CC: 13000087-4


Com informações do UOL - Bichos

Comments


bottom of page