Ato em Brasília: protetores vão pedir aprovação do PL 1095/19 (aumento de pena para maus-tratos)

Atualizado: Set 9

Nesta terça-feira, 8 de setembro, protetores dos animais vão pressionar o Senador Federal a aprovar o Projeto de Lei 1095/19, que prevê até 5 anos de cadeia para o crime de maus-tratos aos animais. Pela legislação atual a punição é de até 1 ano, via de regra, resultando em impunidade.

O Projeto de Lei 1095/19 prevê até 5 anos de cadeia para quem cometer crimes contra animais, representando um avanço na proteção animal no Brasil. (Imagem: Fred Costa / Facebook)

Protetores independentes e representantes de entidades da causa animal realizam, na manhã de terça-feira (8/9), um ato em prol a aprovação do Projeto de Lei 1.095/2019, que possibilita o cárcere para pessoas que maltratam animais. Atualmente, os acusados deste tipo de crime são autuados e liberados após assinarem termo circunstanciado. Pela legislação vigente a penalidade varia de três meses a um ano, e multa, invariavelmente resultando em impunidade.


A proposta para tornar a pena para este tipo de delito mais rigorosa está na pauta de votação do Senado Federal, nesta terça-feira (8/9), e, se aprovado, pode aumentar o tempo de prisão para um período de 2 a 5 anos. O projeto de lei é de autoria do deputado federal Fred Costa (Patriotas). Em defesa da aprovação, os ativistas irão estender uma faixa com imagens de cães e gatos vítimas de violência no país.


Assista ao vídeo


Na visão da advogada Ana Paula Vasconcelos, que integra o Fórum Nacional de Proteção e Defesa Animal e o Projeto São Francisco, a mudança é importante para coibir este tipo de delito. “Atualmente, no Brasil, quem maltrata algum animal é enquadrado no artigo 32 da Lei 9.605/98, com pena de 3 meses a 1 ano de reclusão. Mas, na prática, a impunidade é a regra. Ninguém fica preso e os casos de cumprimento de penas alternativas são bem poucos”, analisa.


“Se o Projeto de Lei for aprovado, será um grande avanço, pois aumenta a pena para o crime de maus-tratos para até cinco anos. Este é um anseio da sociedade e um passo importante no reconhecimento dos direitos animais”, acrescenta Ana Paula Vasconcelos.


A banalização de maus-tratos aos animais é um grande problema e ocorre, justamente, pela impunidade, segundo a coordenadora do Grupo de Estudos sobre Direitos Animais e Interseccionalidades (Gedai), Vanessa Negrini. “Pesquisas revelam que, entre 70% a 80% dos casos, quem maltrata animais também é violento com as pessoas. Com penas mais duras, quem for condenado por maus-tratos a animais, ficaria impedido de fazer transação penal em outros crimes”, explica.


Para o advogado Arthur Regis, presidente da Comissão de Direito dos Animais da OAB-Taguatinga/DF, “o aumento de pena do PL 1.095/2019, configura uma evolução jurídica, em um claro reconhecimento da família multiespécie, da senciência animal e de que animal não é coisa”.


Assista ao vídeo / Juliana Paz (OAB-PI / APIPA)


Animais de estimação: coisas ou integrantes da família?


Condomínio e família multiespécie


Animal de estimação pode ser considerado ente de extensão da família

Integram o ato


Fórum Nacional de Proteção e Defesa Animal, Gedai, Observatório de Direitos Animais e Ecológicos (Odae), Projeto Adoção São Francisco, Clube do Gato, Apran, Gaeda-PE, Resgates Noroeste, GAPA, Abrigo Flora e Fauna, NBPA - Bagé, GAAV, Comissão de Direito dos Animais OAB/GO, Comissão de Direito dos Animais OAB Taguatinga/DF, Toca Segura, Corrente do Bem, Lar Vitório, Atevi, Comissão da Família Multiespécie (IBDFAM/DF), ProAnima, Garra/RJ, Santuário das Fadas-RJ, Delegado Matheus Laiola, Rede de Mobilização pela Causa Animal (REMCA/BA), União Defensora dos Animais - Bicho Feliz, Comissão de Proteção e Defesa dos Animais da OAB/PI, Associação Piauiense de Proteção e Amor aos Animais (APIPA), Comissão Especial de Defesa dos Animais da OAB/BA, Ong Os Doguinhos, Comissão de Proteção e Defesa Animal da OAB de Franca/SP, Comissão de Direito Animal da OAB/SP - Seccional Marília, Projeto Amor sem Raça/DF e Projeto Acalanto.


Guarda Responsável de Animais: assumindo uma vida


APIPA registra aumento de 50% nas adoções de animais durante quarentena


Venha ajudar a APIPA! Falta RAÇÃO e demais itens básicos para manutenção do abrigo


Ajude a APIPA quitar dívidas pendentes em clínica veterinária


Como ajudar a APIPA


Existem diversas formas com as quais o amigo pode participar para contribuir com o trabalho assistencial da APIPA. Um modo bem simples e rápido de ajudar é fazer as doações em dinheiro por meio de transferência/depósito bancário (contas abaixo). O amigo também pode fazer doações (online) por meio do PagSeguro. Lembrando que a nossa associação sobrevive unicamente de doações. Não deixe de oferecer a sua solidariedade em prol do bem-estar dos nossos bichinhos carentes. Ajude-nos!


Ajude! APIPA pede que as doações continuem durante pandemia


Pandemia: APIPA sofre com redução de 70% nas DOAÇÕES ao abrigo


Faça a sua doação de ração para cães e gatos:

Ajude! Falta ração para alimentar mais de 300 animais famintos


CONTAS BANCÁRIAS DA APIPA (doações)


CNPJ: 10.216.609/0001-56

  • Banco do Brasil Ag: 3507-6 / CC: 57615-8

  • Caixa Econômica Federal Ag: 0855 / Op: 013 / CP: 83090-0

  • Banco Santander Ag: 4326 / CC: 13000087-4


Abandono de animais aumenta e APIPA pede ajuda em Teresina


AJUDE os animais carentes do abrigo da APIPA


Com informações do Correio Braziliense

APIPA® - ASSOCIAÇÃO PIAUIENSE DE PROTEÇÃO E AMOR AOS ANIMAIS

CNPJ: 10.216.609/0001-56

BANCO DO BRASIL
Ag: 3507-6 / CC: 57615-8

CAIXA ECONÔMICA FEDERAL
Ag: 0855 / Op: 013 / CP: 83090-0

BANCO SANTANDER
Ag: 4326 / CC: 13000087-4

  • White Facebook Icon
  • White Instagram Icon
  • White YouTube Icon

contato.apipa@gmail.com

Rua Trinta e Oito, 1041 - Loteamento Vila Uruguai - Bairro Uruguai (6 quadras após a UNINOVAFAPI)

Teresina, PI - CEP 64073-167

COPYRIGHT © 2018

Site criado pela Pix Marketing Digital

  • Black Facebook Icon
  • Black Instagram Icon
  • Black YouTube Icon