Aromaterapia para animais: conheça utilidades e benefícios

A aromaterapia pode trazer muitos benefícios para animais e humanos, desde que sua utilização tenha orientação e acompanhamento de um especialista desta área terapêutica. Este recurso terapêutico se fundamenta no uso dos aromas dos óleos essenciais extraídos de plantas.

A aromaterapia aplicada a animais domésticos pode, entre outros benefícios, tratar a ansiedade, latidos excessivos e até pulgas. (Foto: Divulgação / Green Me!)

Assim como os seres humanos podem se valer da aromaterapia, com seus óleos essenciais para cuidar da saúde, há também a possibilidade de tratar os pets com essa terapia alternativa e natural: a aromaterapia veterinária.


De fato, a aromaterapia pode trazer muitos benefícios, desde que sua utilização tenha orientação e acompanhamento de um especialista desta área terapêutica. Isso se aplica tanto para animais, como para humanos.


Este conteúdo traz um aprofundamento sobre a aromaterapia aplicada aos animais, como alternativa de cuidar e tratar de uma forma mais natural deles, tendo como uma das fontes, as informações da médica veterinária Gabriela Duarte.


O que é aromaterapia para animais?


A aromaterapia se fundamenta no uso dos aromas dos óleos essenciais, que são extraídos de plantas e que ao serem captados pelo olfato do animal, pode lhe promover bem-estar, equilíbrio e saúde.


Como é feita a aromaterapia em animais


A utilização dos óleos essenciais, pode ser indicada para animais de várias espécies.


Sendo assim, a dosagem e a diluição dos óleos essenciais variam de espécie para espécie e até entre raças da mesma espécie. Por isso, a necessidade do diagnóstico e orientação de um veterinário especialista em aromaterapia.


Mesmo com acompanhamento do veterinário, ao utilizar o óleo essencial é necessário fazer um teste antes, para observar a reação do animal.


Esse teste consiste em aplicar 1 gota na palma da sua mão e deixar o animal cheirar a distância (pois o cheiro do óleo essencial é bem concentrado, e dá para sentir até de longe).


Se o animal reagir com incômodos, desconforto, agitação, espirros ou repulsa, não utilize o óleo essencial.


Caso contrário, se o animal demonstrou boa aceitação, será possível prosseguir indo para a próxima etapa do teste, que é verificar se ele corre o risco de apresentar alergias cutâneas.


Para isso, aplique um pouco menos de 1 gota em uma pequena área do dorso (parte de superior) do animal, afastada de sua cabeça e onde ele não possa lamber. Aguarde 24 horas, observando se ele não apresenta alguma reação alérgica como vermelhidão, queimação, coceira ou irritação.


Todo esse procedimento tem por finalidade ter certeza que é possível realizar a aplicação efetiva do óleo essencial, sem perigo de reações adversas.


Se tudo bem, aí, sim, poderá se iniciar o tratamento com a aromaterapia.


Cuidados no uso dos óleos essenciais em animais


Toda terapia tem sua forma correta de utilização, por isso seguem alguns cuidados para o emprego dos óleos essenciais nos animais:


Antes de utilizar a aromaterapia em seu pet, consulte um veterinário especialista nesta área, para saber:

  • a dose correta;

  • o óleo essencial mais indicado para seu animal;

  • a frequência de uso;

  • ou se há contraindicações.


Ao utilizar essa terapia no seu pet, cuide para evitar o contato do óleo essencial com as mucosas, orelhas, focinho, olhos e genitais do animal, para não causar possíveis alergias, irritação ou intoxicação nele.


Como preparar os óleos essenciais


Os óleos essenciais são substâncias líquidas voláteis que evaporam com certa facilidade. Por isso, conforme a forma de utilização, é necessário diluí-los em óleos carreadores (transportadores), que por serem mais gordurosos permitem a melhor fixação dos óleos essenciais, pois impedem que evaporem.


Outra razão da necessidade de diluição dos óleos essenciais é porque em estado puro, eles contêm os princípios químicos das plantas de forma mais concentrada. Sendo assim, ao diluí-los evita-se o risco de causar irritação na pele do animal.


Como exemplo de óleos carreadores temos:

  • óleo de amêndoas;

  • óleo de rícino;

  • óleo de jojoba;

  • óleo de calêndula;

  • óleo de linhaça;

  • óleo de oliva.


Outras formas de diluição dependem do emprego e finalidade do óleo essencial, a fim de cuidar do animal.


Como por exemplo:


Caso o óleo essencial seja utilizado como repelente, pode ser utilizado em frasco spray e levemente pulverizado sobre o animal (evitando contato com as áreas do corpo do animal, já descritas anteriormente).


Outra forma de usar o óleo essencial na forma de spray, é pulverizando diretamente na cama do animal ou no ambiente em que ele vive. Com o cuidado de fazer isso sem a presença de animais e crianças e só permitindo a circulação deles quando o ambiente já estiver seco e arejado.


Para usar os óleos essenciais na forma de spray basta diluir algumas gotas do óleo essencial em água destilada (conforme prescrição do veterinário especialista).


Em geral, a recomendação usual é de 20-30 gotas de óleo essencial para 100 ml de água destilada, mas pode ocorrer variação de acordo com o caso específico de cada animal, e segundo critério e avaliação do veterinário.


Formas de aplicação da aromaterapia em animais


Algumas formas de aplicar os óleos essenciais na aromaterapia em animais são:

  • massagens – em partes do dorso do animal;

  • borrifação – mais utilizado no ambiente, através dos sprays;

  • inalação indireta – utilizando 1 gotinha em rechôs ou difusores para aromatizar o ambiente.


Todas essas formas devem ser aplicadas com os cuidados que já foram explicados acima.


Óleos essenciais que podem ser utilizados em animais


Os principais óleos essenciais empregados na aromaterapia para animais são:

  • alecrim – promove mais disposição;

  • hortelã – melhora a função gastrointestinal;

  • hortelã-pimenta – fortalece o sistema imunológico;

  • lavanda – acalma e combate a ansiedade;

  • camomila – para tratar de inflamações e infecções;

  • capim-limão ou óleo de neem – para prevenir e combater infestação de pulgas e carrapatos.


Utilidades e benefícios da aromaterapia para animais


Os óleos essenciais, utilizados de forma terapêutica em animais, trazem os seguintes benefícios:

  • elimina coceiras, reduz lambedura compulsiva e consequentemente previne dermatites;

  • combate a coprofagia (quando o animal tem compulsão por comer fezes);

  • alivia ansiedade, depressão ou estresse;

  • trata inflamações de pele ou respiratórias, infecções de ouvidos, erupções cutâneas, flatulência, halitose e problemas articulatórios ou motores;

  • previne e combate fungos e parasitas no animal.


Precauções de uso e contraindicações


Para evitar problemas indesejáveis pelo uso incorreto dos óleos essenciais, seguem as devidas precauções e casos de contraindicação:

  • evite o uso de óleos essenciais em animais com epilepsia e tendências à convulsões. A não ser que tenha indicação e acompanhamento de um veterinário;

  • redobre o cuidado do uso de óleos essenciais quando se tratar de felinos, pois eles são mais sensíveis a cheiros e vulneráveis à intoxicação;

  • nunca deixe os frascos de óleos essenciais ao alcance de crianças e animais, devido ao risco de causar intoxicação;

  • não use óleos essenciais de forma oral em animais.


Ajude! Falta RAÇÃO para os GATINHOS CARENTES da APIPA


Veja na reportagem do jornal Hora da Notícia, UPFTV, a especialista Aline Maliuk dando mais explicações sobre a aplicação da aromaterapia em animais (vídeo).



Como identificar sinais de doença no cachorro


Uma forma holística de cuidar dos animais


Ainda bem que hoje em dia temos a possibilidade de cuidar de nossos pets de forma mais leve e saudável. E, a aromaterapia é uma delas.


Isto porque, essa terapia tem como princípio uma visão holística, isto que dizer, ver o animal como um todo, de forma integral. Sendo assim, trata os problemas de saúde dele, indo na causa e não somente pelos sintomas.


Nesse contexto, é muito importante avaliar tudo que possa estar interferindo no bem-estar e na saúde do animal para se chegar à origem real da doença.


É importante frisar que, em casos mais graves e avançados, nos quais o veterinário prescreve a medicina convencional, não se deve usar a aromaterapia como substitutivo a esse tipo de tratamento.


Nestes casos, a aromaterapia pode ser utilizada como coadjuvante (auxiliar), para ajudar e reforçar na melhora do estado físico e vital do animal.


Sendo bem empregada, a aromaterapia pode ajudar na qualidade de vida, tanto dos pets, como dos humanos.



Venha ajudar a APIPA! Falta RAÇÃO e demais itens básicos para manutenção do abrigo


Solidarize-se com os animais da APIPA


Solidarize-se com os cães e gatos carentes assistidos pela APIPA. O nosso centro de acolhimento está sempre superlotado, operando com o dobro de sua capacidade, sendo necessário que se faça coletas diárias de doações de ração, material de limpeza, medicamentos veterinários e jornais. Um dia de consumo de ração no abrigo equivale a 25 kg para os cães adultos e entre 12 e 15 kg para os gatos, sem contar os filhotes. Para fazer a higienização do abrigo, usamos diariamente 5 litros de desinfetante e 5 litros de detergente, além de muito saco de lixo, esponjas, vassouras e rodos. O amigo interessado em ajudar pode entregar os donativos diretamente na sede da Entidade, ou ainda, se preferir, fazer as doações em dinheiro por meio de depósitos bancários (contas abaixo).


Animais com necessidades especiais precisam de ajuda na APIPA (Facebook)


A protetora Isabel Moura, que é uma das fundadoras e membro da atual diretoria executiva da APIPA (Associação Piauiense de Proteção e Amor aos Animais), fala um pouco sobre a importância da adoção de animais carentes e o trabalho que a Entidade desenvolve na reabilitação de cães e gatos resgatados em situação de maus-tratos e abandono (vídeo).



Devido à pandemia, as visitas ao abrigo da APIPA sofreram algumas restrições, sendo agora necessário que o visitante faça prévio agendamento por meio do Instagram.


Ajude! Cadela atropelada é submetida a cirurgias de emergência


Ajude! Cadelinhas doentes com TVT precisam continuar tratamento


Castrar é preciso: apadrinhe uma castração no abrigo da APIPA


Guarda Responsável de Animais: assumindo uma vida


APIPA registra aumento de 50% nas adoções de animais durante quarentena


Ajude a APIPA quitar dívidas pendentes em clínica veterinária


Como ajudar a APIPA


Existem diversas formas com as quais o amigo pode participar para contribuir com o trabalho assistencial da APIPA. Um modo bem simples e rápido de ajudar é fazer as doações em dinheiro por meio de transferência/depósito bancário (contas abaixo). O amigo também pode fazer doações (online) por meio do PagSeguro. Lembrando que a nossa associação sobrevive unicamente de doações. Não deixe de oferecer a sua solidariedade em prol do bem-estar dos nossos bichinhos carentes. Ajude-nos!


Ajude! APIPA pede que as doações continuem durante pandemia


Pandemia: APIPA sofre com redução de 70% nas DOAÇÕES ao abrigo


Faça a sua doação de ração para cães e gatos:

Ajude! Falta ração para alimentar mais de 300 animais famintos


CONTAS BANCÁRIAS DA APIPA (doações)


CNPJ: 10.216.609/0001-56

  • Banco do Brasil Ag: 3507-6 / CC: 57615-8 Chave Pix: apipa.bbrasil@gmail.com

  • Caixa Econômica Federal Ag: 0855 / Op: 013 / CP: 83090-0 Chave Pix: apipa.cef@gmail.com

  • Banco Santander Ag: 4326 / CC: 13000087-4


Abandono de animais aumenta e APIPA pede ajuda em Teresina


AJUDE os animais carentes do abrigo da APIPA


Com informações do Green Me!