Alerta: castração de pets antes da puberdade nem sempre é a ideal

Atualizado: Fev 11

Os benefícios obtidos com a castração precoce de cães e gatos já são reconhecidos por grande parte dos tutores, uma vez que a esterilização dos pets já se estabeleceu como método preventivo indicado por médicos veterinários. Contudo, estudos recentes emitem um alerta para os riscos decorrentes da castração em algumas raças de cães, levando em conta que a idade do animal na qual o procedimento acontece é um fator importante a ser considerado. As informações são do médico veterinário André Marchina Gonçalves.

Por motivos óbvios, a castração sempre é indicada para qualquer pet que tenha livre acesso à rua, sendo também um procedimento indispensável a todos os cães e gatos resgatados do abandono, em processo de reabilitação e que esperam por adoção. (Foto: Divulgação / Zoetis)

A castração de cães e gatos é indicada por várias razões, que vão muito além do óbvio controle populacional. O procedimento também ajuda no controle da agressividade e elimina o comportamento de cio, que pode ser um problema e gerar muita dor de cabeça para tutores de gatas.


Animais castrados também brigam e fogem menos do que os não castrados. Quando falamos em termos de saúde dos animais, já se sabe há muito tempo que a castração ajuda a evitar infecções de útero e tumores de mama nas fêmeas e de próstata e testiculares nos machos.


Por esses motivos, o procedimento antes da puberdade é recomendado em muitos lugares, já que nas fêmeas praticamente elimina as possibilidades de câncer de mama quando realizada antes do primeiro cio. Nos machos, a operação nos primeiros meses de vida pode diminuir alguns comportamentos indesejados, como o de levantar as patas ao urinar, marcar território e a agressividade.


Cedo demais?


Porém, o que se começou a notar nesses animais castrados neste período? No caso das fêmeas, uma alteração muito importante é a incontinência urinária. Além disso, a ausência de hormônios faz com que não haja o desenvolvimento completo dos órgãos genitais. Por esse motivo, acredita-se que cães e gatos castrados muito jovens estão mais predispostos à obstrução de vias urinárias.


Nas fêmeas de raças caninas com excesso de pele, como as buldogues, esse menor desenvolvimento genital também pode causar problemas na pele da região, já que ela envolve a vulva, gerando acúmulo de urina e sujeira.


Por último, sabemos também que animais castrados têm uma propensão ao ganho de peso.


Outros riscos


Além desses problemas mais conhecidos, nos últimos anos uma série de estudos passou a ser publicada avaliando a presença de determinadas doenças em diferentes raças de cães. Observou-se que, em muitas delas, a castração nos primeiros meses de vida aumentou o risco de vários outros tipos de câncer e também de doenças ósseas e articulares.


Ao observar os estudos, notamos que estes problemas decorrentes da castração ocorreram, principalmente, em animais de porte grande, como rottweiler e golden retriever. Nessa última raça, por exemplo, um estudo retrospectivo realizado com mais de mil animais demonstrou que a castração aumentou a incidência de três tipos de câncer e alterações articulares, como displasia coxofemoral e ruptura de ligamento cruzado.


Nas fêmeas castradas antes dos 6 meses, esses aumentos foram de três a quatro vezes para os cânceres e de quatro a cinco vezes para as doenças articulares. Porém, os problemas não são exclusivos das raças grandes.


Um estudo realizado com daschunds — o popular salsicha — demonstrou que a castração antes dos 12 meses de vida aumentou a probabilidade de o animal apresentar hérnias de disco, um problema muito comum na raça, quando comparado aos animais castrados depois dos 12 meses.


Qual o tempo certo de castrar?


Ainda temos muito o que estudar com relação a esse tema, mas, com base nesses estudos recentes, um grupo de pesquisadores da universidade da Califórnia publicou no ano passado sugestões do período ideal de castração para diversas raças de cães e também para vira-latas de diferentes tamanhos.


"De maneira geral, mas com algumas exceções, observamos nesses guias que animais de porte menor devem ser castrados mais cedo, enquanto nos maiores deve-se esperar a idade adulta"

Esses períodos ideais levam em consideração o risco que o animal tem de apresentar problemas decorrentes da castração ou da não castração, já que a chance de desenvolvimento de câncer de mama, por exemplo, também varia de acordo com as raças.


Entre os gatos, sabe-se também que a castração evita os mesmos problemas que ocorrem entre os cães e que também pode gerar efeitos indesejados. Apesar disso, não existem tantos estudos como em cachorros, e as recomendações existentes hoje são para castrá-los.


De maneira geral, a Federação Europeia de Veterinários recomenda castrar entre os dois e quatro meses de idade os animais de rua e domiciliados com acesso à rua; e a partir dos quatro meses de vida os animais que vivem dentro de casa, sem contato com outros indivíduos não castrados.


Importância da castração precoce em cães e gatos


Saúde pública


Este é um assunto muito complexo, que vai além da questão da saúde individual de cada animal e reflete na saúde populacional dos cães e gatos e também na saúde pública.


A população de cães e gatos de rua nas cidades brasileiras é gigantesca, e esses animais, além de sofrerem com o abandono, também podem transmitir diversas doenças para os animais domiciliados (os que têm lar) e também para os seres humanos.


Desse modo, defender a castração tardia de cães e gatos em uma situação como a que encontramos pode parecer um pouco irresponsável. Entretanto, é possível que cada veterinário e tutor façam uma ponderação do que é melhor ou pior para cada indivíduo.


Se o animal tem tutores que compreendem as questões de guarda responsável, se os pets não saem à rua e não têm contato livre com outros animais, as recomendações de castração devem, sim, seguir as indicações mais recentes que existem, pensando na saúde daquele indivíduo.


"Já quando se fala de adoção, de animais resgatados e de animais com acesso à rua, de fato o bem coletivo deve se sobressair sobre o individual, e a castração deve ser recomendada o quanto antes para todos os animais"

O mais importante é sempre avaliar cada situação individualmente e, em posse de todas as informações, decidir junto com o veterinário, de maneira responsável, o que é melhor para o cão ou gato. É importante lembrar que os animais, castrados ou não, devem passar sempre por consultas de rotina, de modo a identificar qualquer problema o mais cedo possível.


Venha ajudar a APIPA! Falta RAÇÃO e demais itens básicos para manutenção do abrigo


Solidarize-se com os animais da APIPA


Solidarize-se com os cães e gatos carentes assistidos pela APIPA. O nosso centro de acolhimento está sempre superlotado, operando com o dobro de sua capacidade, sendo necessário que se faça coletas diárias de doações de ração, material de limpeza, medicamentos veterinários e jornais. Um dia de consumo de ração no abrigo equivale a 25 kg para os cães adultos e entre 12 e 15 kg para os gatos, sem contar os filhotes. Para fazer a higienização do abrigo, usamos diariamente 5 litros de desinfetante e 5 litros de detergente, além de muito saco de lixo, esponjas, vassouras e rodos. O amigo interessado em ajudar pode entregar os donativos diretamente na sede da Entidade, ou ainda, se preferir, fazer as doações em dinheiro por meio de depósitos bancários (contas abaixo).



Animais com necessidades especiais precisam de ajuda na APIPA (Facebook)


A protetora Isabel Moura, que é uma das fundadoras e membro da atual diretoria executiva da APIPA (Associação Piauiense de Proteção e Amor aos Animais), fala um pouco sobre a importância da adoção de animais carentes e o trabalho que a Entidade desenvolve na reabilitação de cães e gatos resgatados em situação de maus-tratos e abandono (vídeo).



Ajude! Cadela atropelada é submetida a cirurgias de emergência


Ajude! Cadelinhas doentes com TVT precisam continuar tratamento


Castrar é preciso: apadrinhe uma castração no abrigo da APIPA


Guarda Responsável de Animais: assumindo uma vida


APIPA registra aumento de 50% nas adoções de animais durante quarentena


Ajude a APIPA quitar dívidas pendentes em clínica veterinária


Como ajudar a APIPA


Existem diversas formas com as quais o amigo pode participar para contribuir com o trabalho assistencial da APIPA. Um modo bem simples e rápido de ajudar é fazer as doações em dinheiro por meio de transferência/depósito bancário (contas abaixo). O amigo também pode fazer doações (online) por meio do PagSeguro. Lembrando que a nossa associação sobrevive unicamente de doações. Não deixe de oferecer a sua solidariedade em prol do bem-estar dos nossos bichinhos carentes. Ajude-nos!


Ajude! APIPA pede que as doações continuem durante pandemia


Pandemia: APIPA sofre com redução de 70% nas DOAÇÕES ao abrigo


Faça a sua doação de ração para cães e gatos:

Ajude! Falta ração para alimentar mais de 300 animais famintos


CONTAS BANCÁRIAS DA APIPA (doações)


CNPJ: 10.216.609/0001-56

  • Banco do Brasil Ag: 3507-6 / CC: 57615-8 Chave Pix: apipa.bbrasil@gmail.com

  • Caixa Econômica Federal Ag: 0855 / Op: 013 / CP: 83090-0 Chave Pix: apipa.cef@gmail.com

  • Banco Santander Ag: 4326 / CC: 13000087-4


Abandono de animais aumenta e APIPA pede ajuda em Teresina


AJUDE os animais carentes do abrigo da APIPA


Com informações do Coluna do Veterinário - UOL

APIPA® - ASSOCIAÇÃO PIAUIENSE DE PROTEÇÃO E AMOR AOS ANIMAIS

CNPJ: 10.216.609/0001-56

BANCO DO BRASIL
Ag: 3507-6 / CC: 57615-8

CAIXA ECONÔMICA FEDERAL
Ag: 0855 / Op: 013 / CP: 83090-0

BANCO SANTANDER
Ag: 4326 / CC: 13000087-4

  • White Facebook Icon
  • White Instagram Icon
  • White YouTube Icon

contato.apipa@gmail.com

Rua Trinta e Oito, 1041 - Loteamento Vila Uruguai - Bairro Uruguai (6 quadras após a UNINOVAFAPI)

Teresina, PI - CEP 64073-167

COPYRIGHT © 2018

Site criado pela Pix Marketing Digital

  • Black Facebook Icon
  • Black Instagram Icon
  • Black YouTube Icon