top of page

14 de março - Dia Nacional dos Animais

O dia 14 de março foi estabelecido como o 'Dia Nacional dos Animais', tendo como principal finalidade a conscientização da sociedade acerca dos direitos dos animais. A data foi instituída a partir da apresentação do Estatuto dos Animais, no Congresso Nacional.

Um dia dedicado à conscientização da sociedade acerca dos direitos animais. (Foto: Dia Online)

O Estatuto dos Animais é destinado à preservação da vida, com finalidade de combater os maus-tratos e demais formas de violência contra os animais. De acordo com o levantamento feito pela Organização Mundial de Saúde (OMS), em 2014, somente no Brasil, cerca de 30 milhões de animais estão abandonados, sendo aproximadamente 20 milhões de cães e 10 milhões de gatos. Em grandes metrópoles, para cada cinco habitantes há um cachorro. Destes, 10% estão abandonados.


Com relação às espécies silvestres os dados são ainda mais alarmantes. De acordo com informações divulgadas em 2014 pelo Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMBio), são mais de 1000 espécies de animais em risco de extinção no Brasil. Sendo que as principais causas do desaparecimento de espécies são o tráfico de animais, desmatamentos, queimadas, caça predatória e poluição, afinal, tais fatores influenciam diretamente os animais e/ou habitat. A perda e degradação do habitat, principalmente decorrente da expansão agrícola e urbana e da instalação de grandes empreendimentos, como hidrelétricas, portos e mineração, é a mais importante ameaça para as espécies continentais. Para as espécies marinhas, a pesca excessiva, seja direcionada ou incidental, é a ameaça que mais se destaca.


Em 2014 o ICMBio e o Ministério do Meio Ambiente divulgaram uma lista oficial que atestava 1173 espécies em risco de extinção (entre espécies terrestres, mamíferos aquáticos, peixes e invertebrados aquáticos).


O CFMV (Conselho Federal de Medicina Veterinária), preocupado com a questão e pensando no bem-estar dos animais, publicou a Resolução 1236, que estabelece, entre outros tópicos, “as atribuições do Conselho Federal e Conselhos Regionais de Medicina Veterinária de fiscalizar o exercício da Medicina Veterinária e da Zootecnia, bem como orientar, supervisionar e disciplinar as atividades dos profissionais, sempre com a finalidade de promover o bem-estar animal, em respeito a seus direitos e interesses da sociedade”. Além disso, a nova norma define e caracteriza crueldade, abuso e maus-tratos contra animais vertebrados.


“É muito importante que a sociedade, incluindo os profissionais que trabalham diretamente com animais, como zootecnistas e veterinários, entendam que os animais possuem direitos e estes direitos devem ser respeitados”, afirma a médica veterinária Rosângela Gebara (CRMV-SP), integrante da Comissão Nacional de Bem-estar Animal (Cobea/CFMV).


Gebara completa que “numa sociedade avançada, o respeito aos animais começa com o entendimento das necessidades fisiológicas e comportamentais de cada espécie. E, neste quesito, estes profissionais se tornam essenciais na construção de normas, resoluções e na implementação de boas práticas que assegurem um ambiente harmonizado com a fauna silvestre e doméstica”.


O Dia Nacional dos Animais e o seu significado


Giovanni di Pietro di Bernardone, popularmente conhecido como São Francisco de Assis, é mundialmente conhecido por sua contemplação e preocupação com a Natureza, sendo considerado o santo patrono dos animais e do meio ambiente. Por esta razão, durante um congresso ambiental sediado em Florença (Itália, 1931) foi instituído o dia que a igreja católica comemora o Dia de São Francisco de Assis (04 de outubro) como o Dia Mundial dos Animais. Além desta data, o Brasil instituiu o dia 14 de março como Dia Nacional dos animais, sendo ainda comemorados o Dia da Adoção Animal (em 17 de agosto) e o Dia da Libertação Animal (em 18 de outubro).


A ideia inicial para a instituição do 'Dia Nacional dos Animais' era estimular debates sobre os animais em (ou com risco de) extinção. Com o passar dos anos, e com quesitos envolvendo ética e bem-estar animal, tal data ganhou uma notória abrangência. Assim, o Dia Nacional dos Animais tem por objetivo buscar a conscientização a respeito dos cuidados aos animais, sejam eles domésticos, domesticados ou silvestres.


No Brasil, maltratar animais é considerado crime ambiental, segundo prevê o art. 32 da Lei 9.605/98 (Lei de Crimes Ambientais), com penas que podem chegar até 5 anos de prisão, além de multa e perda da guarda, quando o animal vitimado for cão ou gato. Para as outras espécies de animais, as penas são mais brandas, podendo variar de três meses a um ano de detenção e multa.


Para efeito da Lei de Crimes Ambientais, são considerados maus-tratos:

  • abandonar, espancar, golpear, mutilar ou envenenar;

  • manter os animais permanentemente presos em correntes;

  • manter os animais em locais pequenos, com pouca higiene e sem ventilação, ou sem protegê-los do sol, chuva e frio;

  • não dar água e comida adequadamente;

  • negar assistência veterinária ao animal ferido ou doente;

  • capturar, confinar e comercializar animais silvestres;

  • promover violência disfarçada de manifestação cultural, como é o caso das famigeradas farra do boi, rinha de galo, vaquejada e rodeio, entre outras;

  • obrigar o animal ao trabalho excessivo ou superior a sua capacidade de força (repudiamos todas as formas de exploração de trabalho animal).


Apesar das práticas que resultam em maus-tratos aos animais serem observadas de forma rotineira em nossa sociedade, é cada vez maior, felizmente, o número daqueles que se voluntariam em defesa destes inocentes. As formas de mobilização são bem diversificadas, sobretudo por meio de campanhas em redes sociais. Na medida que mais pessoas se conscientizam dos cuidados para com os animais, mais ações são implementadas, como as que buscam lar temporário e adoção para animais abandonados e as que promovem manifestações públicas contra atos de crueldade, só para citar dois exemplos. É fato que a sociedade está mais consciente sobre direitos animais, sendo notório que mais organizações de defesa são instituídas em busca de oferecer assistência àqueles que vivenciam situação de vulnerabilidade, indicando uma gradativa evolução social em prol dos animais.


O ponto em comum entre os defensores dos animais, independentemente de sua origem, é a percepção que estes são dotados de senciência, ou seja, aptidão para ter percepções conscientes do que acontece e do que os rodeia. Os animais sencientes são munidos da capacidade de sentir dor, medo, estresse, alegria, prazer e de armazenar as informações sob a forma de memória de longo prazo. Apesar de controverso (devido seu conceito enfatizar apenas um critério, que seria a percepção da dor), o conceito de senciência é amplamente reconhecido em todos os animais vertebrados. Isto posto, os movimentos pelos direitos animais defendem que, de acordo com o princípio da senciência, os direitos morais de todas as espécies animais devam ser reconhecidos, além de conceder o benefício da dúvida para as espécies que, do ponto de vista de conhecimentos de sua biologia, a conclusão sobre a presença de sua senciência não ser comprovada.


Neste contexto, com base no princípio da senciência, devemos levar em consideração o conceito de bem-estar animal, definido por Barry Hughes como “um estado de completa saúde física e mental, em que o animal está em harmonia com o ambiente que o rodeia” (Hughes, 1976). Ou seja, devem ser oferecidas condições aos animais para a sua perfeita adaptação, tendo em vista a garantir-lhes bem-estar como uma característica inerente.


Por conseguinte, com base nas cinco liberdades dos animais, estes devem ser:

  • livres de fome e sede;

  • livres de desconforto;

  • livres de dor, doenças ou lesões;

  • livres de aflição e medo;

  • livres para expressar os seus comportamentos normais e naturais.


De forma prática, cada tutor pode abordar determinadas técnicas e princípios, de acordo com a sua própria realidade, para empreender ações visando o bem-estar animal. E, além disso, precisamos conferir a estes inocentes a possibilidade de experimentar emoções positivas, o que vem sendo recomendado pela comunidade científica como imprescindível para que se alcance o pleno bem-estar dos animais.





Solidarize-se com os animais da APIPA


Solidarize-se com os cães e gatos carentes assistidos pela APIPA. O nosso centro de acolhimento está sempre superlotado, operando com o dobro de sua capacidade, sendo necessário que se faça coletas diárias de doações de ração, material de limpeza, medicamentos veterinários e jornais. Um dia de consumo de ração no abrigo equivale a 25 kg para os cães adultos e entre 12 e 15 kg para os gatos, sem contar os filhotes. Para fazer a higienização do abrigo, usamos diariamente 5 litros de desinfetante e 5 litros de detergente, além de muito saco de lixo, esponjas, vassouras e rodos. O amigo interessado em ajudar pode entregar os donativos diretamente na sede da Entidade, ou ainda, se preferir, fazer as doações em dinheiro por meio de depósitos bancários (contas abaixo).



A protetora Isabel Moura, que é uma das fundadoras e membro da atual diretoria executiva da APIPA, fala um pouco sobre a importância da adoção de animais carentes e o trabalho que a Entidade desenvolve na reabilitação de cães e gatos resgatados em situação de maus-tratos e abandono (vídeo).



Devido à pandemia, as visitas ao abrigo da APIPA sofreram algumas restrições, sendo agora necessário que o visitante faça prévio agendamento por meio do Instagram.








Como ajudar a APIPA


Existem diversas formas com as quais o amigo pode participar para contribuir com o trabalho assistencial da APIPA. Um modo bem simples e rápido de ajudar é fazer as doações em dinheiro por meio de transferência/depósito bancário (contas abaixo). O amigo também pode fazer doações (online) por meio do PagSeguro. Lembrando que a nossa associação sobrevive unicamente de doações. Não deixe de oferecer a sua solidariedade em prol do bem-estar dos nossos bichinhos carentes. Ajude-nos!




Faça a sua doação de ração para cães e gatos:

CONTAS BANCÁRIAS DA APIPA (doações)


CNPJ: 10.216.609/0001-56

  • Banco do Brasil Ag: 3507-6 / CC: 57615-8 Pix: apipa.bbrasil@gmail.com

  • Caixa Econômica Federal Ag: 0855 / Op: 013 / CP: 83090-0 Pix: apipa.cef@gmail.com

  • Banco Santander Ag: 4326 / CC: 13000087-4




Com informações do CFMV e Wpós

Kommentare


bottom of page